Agência UFC

Ciências

Novo composto isolante com potencial para aplicação em antenas e radares garante mais uma patente à UFC

Feito pela união de diferentes compostos, o material possui estabilidade de temperatura, o que garante aplicabilidade comercial

Um novo composto feito com materiais cerâmicos e com propriedades que isolam a formação de correntes elétricas acaba de garantir à Universidade Federal do Ceará sua 42ª carta-patente, concedida pelo Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI). Desenvolvido no Departamento de Física do Centro de Ciências, o invento tem potencial para aplicação em dispositivos eletrônicos, como radares, antenas e sensores.

O compósito – termo usado para referir-se a materiais formados pela união de outros materiais com o objetivo de se obter um produto de maior qualidade – é feito de uma estrutura cerâmica por conta de sua estabilidade térmica, isto é, as propriedades isolantes, chamadas de dielétricas, não se alteram de forma significativa com a variação de temperatura. Isso garante, apontam os inventores, uma excelente propriedade física para aplicação comercial.

O material foi alcançado pela simples adição em massa do óxido de bismuto (Bi2O3) em porcentagens de 10%, 20%, 30% e 40% ao óxido cerâmico SVO (Sr3V2O8), criando o chamado compósito cerâmico SVON, um composto com projeção para diversas aplicações em circuitos de micro-ondas e em engenharia teleinformática (radares, antenas, sensores e outros).

Segundo o Prof. Antônio Sérgio Bezerra Sombra, do Departamento de Física e um dos criadores do compósito, a invenção partiu da busca de novos materiais com propriedades dielétricas estáveis com a variação de temperatura. Conforme o professor, o compósito traz propriedades únicas, que podem ser muito úteis para dispositivos que necessitem dessas características isolantes em sua concepção.

Os radares seriam, afirma, uma das principais demandas para o invento. “O material foi desenvolvido e caracterizado como se fosse uma antena, e um radar é um grupo de antenas operando em conjunto, assim o material seria uma ou todas as antenas que compõem um radar”, explica Sombra.

Pesquisas sobre esse novo material cerâmico se iniciaram em 2016, através da pesquisa de doutorado do agora doutor Graciliano da Silveira Batista. Graciliano foi responsável por sintetizar o SVO em seus estudos, o qual, posteriormente, passou por análises dielétricas.

Observando características já catalogadas do óxido de bismuto, concluiu-se que ambos os materiais apresentavam propriedades isolantes opostas. “Elas permitiam a formação de um compósito cerâmico que tem uma boa estabilidade térmica das propriedades dielétricas”, elucida o Prof. Antônio Sérgio Sombra.

O grupo de pesquisadores coordenado pelo pesquisador também já vem trabalhando com a utilização de matrizes cerâmicas para outras aplicações semelhantes, como a matriz baseada em cromato de estrôncio e óxido de titânio. Todos as matrizes, aponta o professor, possuem o mesmo potencial de aplicação em dispositivos eletrônicos como antenas e radares.

A aquisição da carta-patente, acredita, pode estimular o avanço e a continuidade das pesquisas. “Incentiva os pesquisadores do laboratório na busca de novos materiais que possam ter potencial de aplicação tecnológica”, defende.

Além do Prof. Antônio Sérgio Sombra e de Graciliano da Silveira Batista, a 42ª patente da UFC possui como inventores Ronaldo Glauber Maia de Oliveira e Marcelo Antônio Santos da Silva.

Fonte: Prof. Antônio Sérgio Bezerra Sombra, do Departamento de Física e-mail: sergio@fisica.ufc.br

USE NOSSAS MATÉRIAS

A reprodução dos textos da Agência UFC é permitida, com atribuição. Caso o texto seja reproduzido na íntegra, ele deve ser assinado com o nome do repórter seguido do identificador “da Agência UFC”. Caso o texto passe por cortes ou ajustes no processo de edição, deve-se publicar apenas “da Agência UFC”, ou forma semelhante, de acordo com os padrões adotados pelo veículo.

Saiba mais sobre como usar as matérias da Agência UFC

Sérgio de Sousa 23 de maio de 2023

Assuntos relacionados

Imagem de um recife de corais, com peixes e algas (Foto: Copyright AdobeStock) Corais estão ameaçados por mudanças climáticas

Pesquisa da UFC e de universidades do exterior revela que corais estão sendo substituídos por espécies menos eficientes na absorção de carbono

Planta Holoregmia viscida, com flores verdes fluorescentes Estudo prevê extinção de espécie da caatinga caso mudanças climáticas se agravem

A pesquisa mapeou a ocorrência de planta restrita ao bioma nos últimos milhares de anos e projetou cenários climáticos para os próximos 80 anos

Vista do parede do açude Castanhão, com terra erodida no entorno (Foto: Viktor Braga) O impacto da atividade irrigada no entorno do Castanhão

O processo erosivo que acompanha as chuvas gera perda de solo e prejudica a qualidade da água do açude