Agência UFC

Saúde

Substâncias de xaropes expectorantes reduzem sintomas de covid, comprova estudo da UFC

A descoberta abre novas possibilidades para um tratamento de baixo custo contra a doença, nas suas formas leve e moderada

Pesquisadores do Programa de Pós-Graduação em Farmacologia da Universidade Federal do Ceará (UFC) conseguiram comprovar, em parceria com cientistas de outras universidades, que a associação de duas moléculas, encontradas em xaropes expectorantes comuns, reduz em 39% os sintomas dos pacientes com covid leve ou moderada. A descoberta abre novas possibilidades para um tratamento de baixo custo contra a doença, nas suas formas leve e moderada.

Os achados foram publicados recentemente na revista internacional Translational Medicine: Open Acess. O artigo, assinado também por pesquisadores da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (USP-RP) e da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM-UNIFESP), revela que a bromexina e a N-acetilcisteína são princípios ativos de medicamentos usados para fluidificar e facilitar a eliminação das secreções do trato respiratório.

O grupo partiu de evidências científicas já disponíveis sobre a bromexina e a N-acetilcisteína. Na USP-RP e UNIFESP, os professores Érico Arruda e Hugo Monteiro avaliaram, em laboratório, se essas moléculas seriam capazes de inibir a replicação do vírus SARS-CoV-2, o causador da covid-19. Identificaram, por exemplo, que a bromexina age numa proteína secundária do receptor do vírus da covid-19. Sem ela, o vírus não consegue entrar na célula.

Com o resultado positivo se confirmando nos testes laboratoriais, os pesquisadores conseguiram financiamento da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FUNCAP) para a realização de um novo estudo, dessa vez na forma de ensaio clínico (feito em humanos) em Fortaleza. Essa é a fase crítica, uma vez que nem todas as situações identificadas em laboratório se reproduzem no organismo.

Imagem: Prof. Aldo Ângelo Moreira Lima sentado em escritório, frente a um computador
“Para a infectologia, reduzir a febre é o sinal mais forte para dizer que o paciente está melhorando de uma infecção”, afirma o coordenador da pesquisa, Prof. Aldo Lima (Foto: Viktor Braga/UFC)

Coordenada pelo Prof. Aldo Ângelo Moreira Lima, do Programa de Pós-Graduação em Farmacologia da UFC, a parte clínica foi feita com pacientes de quadro leve e moderado na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Cristo Redentor em plena segunda onda da doença, no fim de 2021 e começo de 2022. Os pesquisadores classificaram os pacientes de acordo com a quantidade de sintomas ou sinais desenvolvidos, em uma escala de zero (nenhum sintoma) a três (a partir de três sintomas).

Depois, dividiram os participantes em grupos: um primeiro, que não recebeu as substâncias, apenas o tratamento padrão (grupo de controle); um segundo, que recebeu a N-acetilcisteína; e um terceiro, a quem foi ministrada uma combinação da bromexina com N-acetilcisteína. O estudo foi realizado com o método que os pesquisadores chamam de duplo-cego: nem os pacientes nem os pesquisadores sabiam quem estava em cada grupo para evitar qualquer viés.

O resultado revelou que a combinação reduziu o número de sintomas em 39%, se comparados ao grupo de controle. O resultado é válido para qualquer tipo de variante do vírus da covid-19. “Isso porque todas as variantes usam o mesmo receptor de entrada”, explica o Prof. Aldo Ângelo. No caso dos que receberam apenas N-acetilcisteína, os resultados não foram significativos.

Para o pesquisador da UFC, o resultado sugere que a bromexina seja o principal fator para a redução dos sintomas, o que abre espaço para um aprofundamento posterior do trabalho. “Pelo estudo e pela análise que fizemos, estamos apostando que a bromexina seja crítica nesse efeito. Porque quando você coloca N-acetilcisteína isoladamente, você não tem efeito. A gente não pode dizer que a bromexina esteja com ação isolada, mas pode dizer claramente que a N-acetilcisteína não é a fonte primária (do resultado)”, explica.

Outro dado importante para os pesquisadores é que a febre foi o sintoma que mais foi reduzido. “Para a infectologia, reduzir a febre é o sinal mais forte para dizer que o paciente está melhorando de uma infecção”, diz o professor da UFC.

Fonte: Prof. Aldo Ângelo Moreira Lima – alima@ufc.br

USE NOSSAS MATÉRIAS

A reprodução dos textos da Agência UFC é permitida, com atribuição. Caso o texto seja reproduzido na íntegra, ele deve ser assinado com o nome do repórter seguido do identificador “da Agência UFC”. Caso o texto passe por cortes ou ajustes no processo de edição, deve-se publicar apenas “da Agência UFC”, ou forma semelhante, de acordo com os padrões adotados pelo veículo.

Saiba mais sobre como usar as matérias da Agência UFC

Erick Guimarães 21 de fevereiro de 2024

Assuntos relacionados

Paciente sentado e com as mãos cruzadas recebendo o acompanhamento de estudante de fisioterapia (Foto: Viktor Braga/UFC) Reabilitação motora para sobreviventes de AVC

Através de atendimento presencial e por aplicativo, projeto da Faculdade de Medicina oferece fisioterapia a pessoas que tiveram acidente vascular cerebral

Estudo avalia papel de enzima no tratamento de câncer gástrico Estudo avalia papel de enzima no tratamento de câncer gástrico

Funcionando como um biomarcador, a enzima AURKA pode ser alvo de fármacos para reduzir a agressividade do câncer

Homem calvo de costas, em um corredor, com destaque para a região sem cabelo (Foto: Viktor Braga/UFC) Você sabe o que provoca queda de cabelo?

Entre os fatores que causam a queda dos fios, estão os tratamentos com substâncias químicas, oleosidade, caspa e seborreia