Agência UFC

Engenharia

Nova máquina agrícola inventada na UFC pode solucionar problema na colheita mecanizada da horticultura brasileira

O equipamento foi desenvolvido para as condições de solo e clima e de variedade de culturas do País, equacionando o problema das perdas e garantindo custos significativamente menores

Uma nova máquina agrícola para a horticultura, inventada na Universidade Federal do Ceará, acaba de receber a carta patente do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) e pode vir a solucionar o maior problema encontrado no setor: a colheita mecanizada. A indisponibilidade de mão de obra para essa operação tem feito com que grandes e médios produtores recorram a maquinários importados não adequados à realidade nacional e que geram perdas que chegam a 70% da produção. O invento da UFC se propõe a desempenhar a tarefa garantindo custos significativamente menores.

Segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), em 2020 o setor comercializou 5,4 milhões de hortaliças nas centrais de abastecimento (CEASAs), movimentando R$ 16,3 bilhões. Nos últimos anos, a horticultura brasileira se reinventou com o enorme aumento na escala de produção em alguns polos, como a Chapada Diamantina (BA) e Gotardo (MG), com hortícolas em escala milhares de vezes maiores que as tradicionais hortas dos pequenos agricultores, em sistemas de produção altamente tecnificados, além de regiões como Holambra (SP), cujos cultivos protegidos utilizam inclusive tecnologia robótica na produção das hortaliças.

Esse cenário indica um mercado promissor para a indústria de máquinas agrícolas, mas a oferta nacional ainda não responde a essa demanda. “Existem máquinas italianas, francesas, alemãs para colher hortaliças, mas o problema é que, quando elas vêm para o Brasil, devido ao fato de não terem sido projetadas para nossas condições de solo e clima e de variedades das culturas, elas chegam a perder 70% da produção”, informa o Prof. Daniel Albiero, um dos inventores do novo maquinário, que, na época de sua idealização, era docente do Departamento de Engenharia Agrícola da UFC.

Maquete da colhedora multifuncional, destacando o módulo utilizado para colher alface
Maquete da colhedora multifuncional, destacando o módulo utilizado para colher alface (Imagem: Reprodução)

O invento trata-se de uma colhedora multifuncional de hortícolas herbáceas, folhosas, tuberosas, fistulosas, raízes e bulbos. O termo hortícola está relacionado às plantas comestíveis com cultivo em horta, de ciclo curto de produção e que respondem por diversas safras ao ano. Hoje, são mais de 100 espécies cultivadas comercialmente.

A máquina é apresentada em três versões: uma para a colheita de hortícolas folhosas e herbáceas (como alface, couve-flor, brócolis); outra para tubérculos, bulbos e raízes (como cebola, alho, cenoura, batata-doce) e uma terceira para colher fístulas sensíveis (para culturas delicadas, como a cebolinha). “Ela é constituída de módulos intercambiáveis que podem ser trocados em 15 minutos, de acordo com a categoria da cultura”, explica o professor.

“Seguimos a filosofia de projeto da EMBRAER com seus aviões. Se um agricultor for produtor de alface, ele obviamente adquirirá o módulo para culturas hortícolas folhosas, módulo que pode colher qualquer folha, de alface a rúcula, ou seja, para colher rúcula em vez de alface, basta ele programar a máquina e colocar os parâmetros da rúcula. Se for um produtor de cenoura, ele adquire o módulo de tubérculos e raízes, então qualquer cultura desse tipo pode ser colhida”, esclarece.

O diferencial do equipamento é que ele se utiliza de três robôs: um manipulador, um de corte e outro de elevação. “Cada um desses robôs tem módulos que adaptam a máquina automaticamente para cada cultura, diminuindo drasticamente as perdas”, explica Albiero, que hoje é  professor da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Albiero informa que todos os componentes e sistemas da máquina são facilmente encontrados no mercado.“Foi realizado todo um estudo de sistemas de manutenção automáticos, além de diagnósticos que possibilitam uma grande eficiência nessa manutenção”, garante.

SUBSTITUIÇÃO DA MÃO DE OBRA

A etapa de colheita da horticultura, em situações de larga escala, necessita de cerca de 200 trabalhadores para realizar a operação. “Na colheita manual, as perdas são mínimas, mas o problema é que não existe mais disponibilidade de mão de obra no campo para colheita de hortícolas em grande escala”, aponta o Prof. Daniel Albiero.

Esse fator tem feito com que os grandes e médios produtores busquem máquinas europeias, que, contudo, geram perdas por conta da “ineficiência e inadequação dos órgãos ativos de ataque ao solo e manuseio do material vegetal na colheita”, justifica o professor. A máquina inventada na UFC, por ter sido elaborada considerando as condições específicas da produção nacional, resolveria esse problema.

O equipamento foi projetado para ser operado por até três pessoas, garantindo a mesma capacidade de uma colheita manual com 200 trabalhadores. Por conta da drástica redução no uso de mão de obra, os custos ficam significativamente menores, informa o inventor.

Foto de uma fazenda de hortaliças
Os principais mercados para a nova máquina são os médios e grandes proprietários de fazendas da horticultura (Foto: Paulo RS Menezes)

Apesar de a carta patente ter sido expedida no fim de janeiro deste ano, o depósito da solicitação feito pela UFC ao INPI foi feito ainda em 2013. Naquele ano, havia uma parceria com uma grande indústria de máquinas agrícolas de São Paulo, que previa a produção de 50 máquinas ao ano, com este número chegando a 100 no pico de produção. A empresa também iria fazer o primeiro protótipo da máquina. “Contudo, devido à crise político-econômica de 2014, infelizmente, ela teve que desistir do projeto”, relata

No momento, os inventores contam apenas com protótipos digitais, simulados em ambientes virtuais. Uma possível parceria com empresas interessadas no invento pode, agora com a carta patente expedida, garantir não somente o protótipo, mas a produção e comercialização da máquina.

A carta patente expedida pelo INPI é a 25ª garantida pela UFC. É a 7ª do Departamento de Engenharia Agrícola e também a 7ª que traz como inventor o Prof. Daniel Albiero. Além dele, o INPI ainda reconhece Flávio Roberto de Freitas Gonçalves e José Heldenir Pinheiro Bezerra como inventores da máquina colhedora multifuncional de hortícolas.

Fonte: Prof. Daniel Albiero ‒ e-mail: daniel.albiero@gmail.com

USE NOSSAS MATÉRIAS

A reprodução dos textos da Agência UFC é permitida, com atribuição. Caso o texto seja reproduzido na íntegra, ele deve ser assinado com o nome do repórter seguido do identificador “da Agência UFC”. Caso o texto passe por cortes ou ajustes no processo de edição, deve-se publicar apenas “da Agência UFC”, ou forma semelhante, de acordo com os padrões adotados pelo veículo.

Saiba mais sobre como usar as matérias da Agência UFC.

Sérgio de Sousa 22 de fevereiro de 2022

Assuntos relacionados

Fotografia colorida mostra vista de cima de um prato azul dentro de cesta artesanal, com um uma garrafa de vidro, pote branco com molho em tom marrom, e duas fatias de pão de forma (Foto: Viktor Braga/Agência UFC) UFC cria molho agridoce que atua como suprimento de nutrientes necessários ao bom funcionamento do organismo

Desenvolvido à base de frutas e hortaliças, o produto acaba de garantir carta patente e já conta com empresa interessada em seu licenciamento

Desenho computadorizado mostra uma estrutura como a de uma carroça com barras na lateral direita para a realização de tarefas específicas, como perfuração de solo, instalação de estacas e fixação do arame (Reprodução) UFC cria máquina para instalação de cercas agropecuárias através de mecanismos de robótica; equipamento é o único no mundo

O invento, que foi desenvolvido no Centro de Ciências Agrárias da UFC, acaba de receber a carta patente do INPI, órgão federal responsável pelo registro de marcas e patentes

Grupo da UFC participa do desenvolvimento de motor mais eficiente e menos poluente

Pesquisadores estão aplicando a tecnologia HCCI em motores à etanol. O projeto terá duração de três anos e os primeiros resultados são promissores