Agência UFC

Saúde

Estudo da UFC confirma importância da amamentação na primeira hora de vida do bebê

A pesquisa, feita em parceria com a Harvard, é uma das primeiras do mundo a mostrar que o aleitamento materno nos primeiros 60 minutos após o nascimento tem impacto no desenvolvimento infantil

O desenvolvimento infantil é um universo complexo que envolve muitos aspectos. Dos cuidados ainda na gestação aos fatores neonatais, cada pequeno detalhe pode influenciar no processo de aquisição de habilidades e capacidades das crianças. Nesse sentido, o artigo “Maternal and neonatal factors associated with child development in Ceará, Brazil: a population-based study” (“Fatores maternos e neonatais associados ao desenvolvimento infantil no Ceará, Brasil: um estudo de base populacional”), publicado na BMC Pediatrics e produzido numa parceria entre a Universidade Federal do Ceará, a Escola de Saúde Pública de Harvard e o Centro Universitário Christus (UNICHRISTUS), concluiu que a amamentação na primeira hora de vida repercute no desenvolvimento de longo prazo.

De acordo com o professor Hermano Rocha, da Faculdade de Medicina da UFC e um dos autores da publicação, a avaliação desse fator é relativamente nova na literatura internacional. “Nosso trabalho vem se somar a outros que mostram ser essa exposição importante para o desenvolvimento infantil. Em escala populacional, essa é uma das primeiras evidências do mundo”, afirma.

Segundo o pesquisador, muitas vezes a equipe separa a criança da mãe para fazer uma série de exames e depois de um tempo é que o recém-nascido pode ser amamentado. Além disso, nem sempre a mãe pode amamentar por estar sob efeito de sedação após um procedimento cirúrgico.

O simples fato de haver a conexão olho no olho da mãe com a criança, nessa primeira hora, cria um vínculo emocional que garante um desenvolvimento infantil mais adequado, explica Rocha. Além disso, o professor afirma que há estudos sobre a presença de anticorpos no leite da mãe específicos para o bebê, somente nesses primeiros 60 minutos após o nascimento, que funcionam como um reforço na imunidade do recém-nascido parecido com uma vacina. Até hoje, de acordo com Rocha, não se sabe como replicá-los artificialmente, mas se acredita que são capazes de diminuir as chances de doenças crônicas no adulto.

De acordo com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), no mundo, menos de 50% das crianças têm a chance de ser amamentadas na primeira hora. O dado também foi encontrado na Pesquisa de Saúde Materno-Infantil do Ceará (PESMIC), de 2017, uma das poucas do mundo que avalia o desenvolvimento infantil em termos populacionais, permitindo a orientação de políticas públicas na área.

Outro achado importante do estudo foi a verificação do chamado efeito catch up em bebês com baixo peso ao nascer. Através de uma análise de interação, percebeu-se que a criança nascida com baixo peso ou prematura, depois de algum tempo – principalmente se estimulada de forma correta –, acaba conseguindo compensar e se tornar “equivalente” à que nasceu com peso adequado, fenômeno demonstrado em outras pesquisas, principalmente nos países desenvolvidos.

QUANDO UMA CRIANÇA TEM O DESENVOLVIMENTO ATRASADO?

Para realizar o trabalho, os pesquisadores analisaram dados da PESMIC para avaliar a associação entre gravidez e fatores neonatais com escores de desenvolvimento infantil em um estudo transversal. Ao todo, foram observadas 3.566 crianças em cinco domínios (comunicação, coordenação motora ampla, coordenação motora fina, resolução de problemas e habilidades pessoais e sociais) de um dos questionários mais utilizados no mundo para rastreio populacional de problemas no desenvolvimento infantil: o Ages and Stages Questionnaire (ASQ-BR).

Crianças de costas em brinquedoteca da UFC
Ao todo, foram avaliadas 3.566 crianças em cinco domínios: comunicação, coordenação motora ampla, coordenação motora fina, resolução de problemas e habilidades pessoais e sociais (Foto: Viktor Braga/UFC)

“Então, por exemplo, a coordenação motora ampla verifica se a criança consegue fazer alguns movimentos amplos, corporais, se ela consegue jogar uma bola, enquanto a coordenação motora fina examina movimentos mais sutis, como passar um fio por uma argola e outros mais sofisticados. Já as habilidades pessoais e sociais, a comunicação e a resolução de problemas verificam se a criança interage, se interage de forma adequada”, detalha o pesquisador.

Crianças com déficit em pelo menos um desses domínios são consideradas, segundo o médico, atrasadas no desenvolvimento infantil. Isso porque, ainda que a criança vá bem em comunicação, se ela tem um problema na coordenação motora, existe um aspecto no desenvolvimento infantil que pode ser melhorado.

Outro motivo para justificar a importância de separar a avaliação do desenvolvimento infantil em domínios é o fato de que a partir da identificação da relação de fatores neonatais com algum domínio específico é possível supor quais são as conexões cerebrais e as partes do desenvolvimento cerebral daquela criança que não funcionaram bem.

“Se, por exemplo, identificamos que o baixo peso ao nascer afeta pontos específicos, e esses pontos têm tempos de desenvolvimento diferentes na criança, nós podemos tentar trabalhar especificamente esses domínios ou saber o que vai acontecer com crianças de baixo peso ao nascer, no futuro, para podermos nos preparar para isso, considerando que o baixo peso ao nascer é cada vez mais frequente”, ilustra.

FATORES DA GRAVIDEZ

De acordo com Hermano Rocha, a suplementação de ácido fólico em mulheres que têm a pretensão de engravidar já era conhecida, porque existem associações da deficiência dessa vitamina com defeitos importantes do tubo neural das crianças. O trabalho, entretanto, percebeu algo a mais: não só transtornos ou doenças graves são causados pela falta dessa suplementação, mas também deficiências sutis do desenvolvimento infantil. Dessa maneira, o pesquisador recomenda reforçar a suplementação, alertando sobre a necessidade de observar e estimular as crianças que não foram suplementadas para o caso de virem a apresentar algum déficit de desenvolvimento infantil.

Já a necessidade de realizar intervenções e estimulação em crianças que tiveram permanência prolongada em unidades de terapia intensiva neonatal ou incubadora, foram reanimadas, usaram antibióticos ou tiveram infecções após o nascimento ainda é, conforme o médico, objeto de estudo. Esse será o próximo passo do grupo, que também está se preparando para fazer a pesquisa de forma longitudinal: ou seja, buscar as mesmas crianças vistas em 2017 e ver como estão hoje.

“Isso felizmente já está em curso. Nós recebemos financiamento e provavelmente devemos executar o projeto neste ano, o que vai nos permitir ver, por exemplo, se crianças expostas ao baixo peso ao nascer e com algum atraso no desenvolvimento tiveram problemas na vida escolar”, comemora o professor, que é bolsista de pós-doutorado da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FUNCAP). O financiamento da FIOCRUZ ao grupo de pesquisa Epidemiologia do Semiárido, liderado também pelo Prof. Luciano Correia, vai possibilitar a realização dessa nova parte do trabalho.

Mãos de menina segurando blocos de montar
Na pesquisa, a avaliação do desenvolvimento infantil é separada em domínios. A partir da identificação da relação de fatores neonatais com algum domínio específico, é possível supor quais as conexões cerebrais e as partes do desenvolvimento cerebral daquela criança que não funcionaram bem (Foto: Dejan Krsmanovic/Flickr)

Também são autores do artigo o Prof. Christopher Sudfeld, da Escola de Saúde Pública de Harvard; o Prof. Álvaro Leite, do Departamento de Saúde Materno-Infantil da UFC; os docentes Luciano Correia, Márcia Machado e Sabrina Rocha, do Departamento de Saúde Comunitária da UFC; e Jocileide Campos e Anamaria Silva, professoras do Centro Universitário Christus (UNICHRISTUS).

CREDIBILIDADE

Entre os fatores que comprovam a confiabilidade do trabalho, o médico cita a comparação do percentual de crianças com baixo peso ao nascer encontrado na PESMIC com o dado do Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (SINASC) do Brasil. “Nós identificamos em cerca de 10% da nossa amostra a prevalência de baixo peso ao nascer e comparamos com os dados do Ceará de todas as crianças em 2017, divulgados pelo Ministério da Saúde bem depois da realização da nossa pesquisa. Vimos que o número foi praticamente idêntico ao encontrado, analisando-se o dado individual de todas as crianças nascidas naquele ano”, revela.

De acordo com o professor, um dos pontos mais fortes da Pesquisa de Saúde Materno-Infantil do Ceará é a amostragem, segundo a qual cada mãe e cada criança de até seis anos do Estado teve exatamente a mesma chance de ter participado da pesquisa. “Esse é um princípio básico para assegurar que a amostra reflita a população de onde ela saiu”, explica. Para chegar a essa amostra, os pesquisadores sortearam setores censitários do IBGE e, a partir deles, escolheram de forma aleatória o ponto geográfico por onde começar o estudo.

PESQUISA PIONEIRA

A PESMIC, financiada pela FUNCAP, vem acontecendo desde 1987 pela Universidade Federal do Ceará. É uma pesquisa pioneira que ajudou na redução da morbimortalidade infantil no Brasil e no mundo através, por exemplo, da recomendação do soro caseiro contra a diarreia, que matava muitas crianças naquela época, uma das diversas ações geradas pelo estudo, que já foi premiado internacionalmente. Seguindo esse exemplo, o UNICEF passou a estimular o chamado MICS (Multiple Indicator Cluster Surveys), muito semelhante à PESMIC, que hoje é realizado por mais de 100 países no mundo. O Brasil, infelizmente, não é um deles.

A mais recente edição da pesquisa é uma das poucas da América Latina que examinou a relação entre o nascimento, os fatores de cuidado neonatal e os resultados do desenvolvimento de crianças pequenas.

Fonte: Hermano Rocha, professor do Departamento de Saúde Comunitária da Universidade Federal do Ceará – e-mail: hermano@ufc.br

Síria Mapurunga 18 de maio de 2021

Assuntos relacionados

Wolf Mask sendo ajustada no rosto de paciente UFC desenvolve nova tecnologia para respiração assistida com uso multifuncional

A máscara, batizada de Wolf Mask, acaba de obter registro de patente, a 32ª da UFC. Ela permite atender pacientes com vários tipos de problemas respiratórios

Estudo avalia papel de enzima no tratamento de câncer gástrico Estudo avalia papel de enzima no tratamento de câncer gástrico

Funcionando como um biomarcador, a enzima AURKA pode ser alvo de fármacos para reduzir a agressividade do câncer

Jovem, com fone de ouvido rosa, deitada esfregando os olhos de sono (Foto: Luisella Planeta Leoni por Pixabay) Pesquisa sobre sono de adolescentes de Fortaleza revela dados preocupantes

Estudo é o maior desse tipo já realizado no Brasil e envolveu mais de 11 mil estudantes da rede pública, abordando questões como sono insuficiente e sonolência