Agência UFC

Ciências

Usado na produção de biolubrificante, líquido da casca da castanha-de-caju gera nova patente à UFC

De muitas aplicabilidades, o LCC possui componentes que resolvem problemas da produção de lubrificantes de origem mineral e vegetal

O líquido da casca da castanha-de-caju (LCC) já é um velho conhecido de pesquisas da Universidade Federal do Ceará. Com vasta aplicação tecnológica, a matéria-prima já foi pauta de reportagens na Agência UFC sobre seu uso na geração de produtos que vão de inseticidas a antimicrobianos e antifúngicos. Agora, o LCC rendeu à Universidade sua mais nova patente.

A invenção patenteada busca resolver os problemas inerentes à produção de óleos lubrificantes, destinados ao uso pela indústria (em maquinários, por exemplo). Quando obtidos a partir de origem mineral, com derivados de petróleo, esses produtos são tóxicos para o meio ambiente, por possuírem descarte difícil e serem derivados de uma fonte não renovável.

A utilização de óleos vegetais para a fabricação dos lubrificantes, portanto, surgiu como próximo passo desse processo produtivo, já que, além de provirem de fontes renováveis, apresentam melhores propriedades, inclusive melhor aplicabilidade, maior durabilidade e maior segurança.

Ainda assim, apesar das vantagens em relação aos minerais, os óleos vegetais esbarram em outras questões: é uma produção que entra em conflito com os setores agrícolas e alimentícios, pela necessidade de áreas extensas para plantio da matéria-prima e altos custos econômicos ou sociais.

LCC, um líquido preto, sendo despejado dentro de outro recipiente por pessoa com luva branca, em uma bancada de laboratório
O Laboratório de Produtos e Tecnologia em Processos (LPT) tem estudado, nos últimos anos, as diversas aplicabilidades do LCC (Foto: Viktor Braga/UFC)

Por isso, o lubrificante obtido a partir do LCC se apresenta como uma alternativa, já que o líquido é um subproduto normalmente extraído durante o processamento da castanha-de-caju para obtenção da amêndoa (o principal objetivo dessa indústria). Como já está inserido em um processo produtivo bem estabelecido, o uso do LCC contorna os problemas de custos e conflitos apresentados pelos óleos vegetais.

O líquido funciona como matéria-prima para a produção dos biolubrificantes por ser constituído principalmente de um composto do tipo fenol chamado cardanol, que tem a característica de aderir a superfícies metálicas, de forma compacta, criando uma película que ajuda na redução do atrito e, consequentemente, do desgaste causado pelo contato entre metais.

Para chegar ao cardanol, o LCC passa por um processo chamado destilação molecular, que permite a obtenção do cardanol em purezas elevadas, removendo outros componentes existentes no LCC que podem interferir no processo de síntese química, como explica a Profª Selma Mazzetto, coordenadora do Laboratório de Produtos e Tecnologia em Processos (LPT) da UFC e uma das inventoras que assinam a patente.

O objeto principal da nova patente é justamente a produção dos biolubrificantes a partir dessas reações que possam ser consideradas ecologicamente corretas, com um processo produtivo com menor quantidade de resíduos poluentes e com o uso de materiais menos prejudiciais ao meio ambiente.

Além, claro, de representar o desenvolvimento de um produto que aproveita a força da indústria da castanha, já relevante e bem consolidada, sobretudo no Ceará.

“A grande vantagem da produção e uso destes biolubrificantes está relacionada com a valorização de um insumo de origem regional, do qual o Ceará é o maior produtor, e que atualmente não possui uma aplicação nobre. Com o desenvolvimento deste tipo de produto tecnológico, podemos esperar um grande impacto socioeconômico para nossa região”, reforça a Profª Selma.

MULTIUSO E RENTÁVEL

O uso de uma matéria-prima como o LCC se justifica de muitas maneiras, não apenas no aspecto ambiental, mas também econômico: não é novidade que se trata de um insumo com alta capacidade produtiva e rentável. No caso dos biolubrificantes, não é diferente.

“Por ser um material de origem natural, a quantidade de LCC presente na casca da castanha-de-caju pode oscilar bastante, devido às condições climáticas, geográficas etc. Mas podemos estimar que são necessários em torno de dez quilos de castanhas para a obtenção de um litro de LCC”, detalha a Profª Selma.

Para transformar o líquido em biolubrificante, o rendimento também não decepciona. “A rota sintética para a obtenção desses biolubrificantes a partir do LCC é bem eficiente, indicando rendimentos na ordem de 80 a 90%, dependendo do tipo de biolubrificante desejado”, diz a pesquisadora.

O Laboratório de Produtos e Tecnologia em Processos da UFC tem dedicado os últimos 15 anos a realizar pesquisas relacionadas à concepção e desenvolvimento de produtos derivados do LCC, provando as múltiplas aplicabilidades possíveis do insumo.

Aditivos, larvicidas, inseticidas, surfactantes, antioxidantes, resinas, compósitos e macromoléculas são algumas das possibilidades já apontadas pelo LPT. “[Todos] norteados por uma política de agregar valor, trabalhando paralelamente em consonância com as legislações ambientais vigentes, desenvolvendo rotas sintéticas alternativas e respeitando o meio ambiente”, ressalta a coordenadora do laboratório.

Pequenas cápsulas de LCC, similares a grãos pretos
O combate à dengue com cápsulas de LCC foi uma das possibilidades estudadas pelo Laboratório (Foto: Viktor Braga/UFC)

SAIBA MAIS

Nos últimos anos, a Universidade Federal do Ceará vem acumulando cartas patentes concedidas pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), sendo essa a de número 33.

Também assinam como inventores: Mayara Oliveira de Almeida, doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Química da UFC; Francisco Jonas Nogueira Maia, doutor em Química pela UFC; e Diego Lomonaco Vasconcelos de Oliveira, professor do Departamento de Química Orgânica e Inorgânica e integrante do LPT.

Na Agência UFC, o líquido da casca da castanha-de-caju já foi notícia em duas outras oportunidades. Veja as matérias:

> LCC: aplicações vão da tecnologia ao tratamento de doenças

> LCC: de subproduto do agronegócio a protagonista da química

Fonte: Selma Elaine Mazzetto, coordenadora do Laboratório de Produtos e Tecnologia em Processos (LPT) e professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Química da UFC – e-mail: selma@ufc.br

USE NOSSAS MATÉRIAS

A reprodução dos textos da Agência UFC é permitida, com atribuição. Caso o texto seja reproduzido na íntegra, ele deve ser assinado com o nome do repórter seguido do identificador “da Agência UFC”. Caso o texto passe por cortes ou ajustes no processo de edição, deve-se publicar apenas “da Agência UFC”, ou forma semelhante, de acordo com os padrões adotados pelo veículo.

Saiba mais sobre como usar as matérias da Agência UFC

Kevin Alencar 8 de fevereiro de 2023

Assuntos relacionados

Silhueta de homem sentado em colina olhando para o céu estrelado (Foto: Banco de Imagens) A luz que explica o passado e os mistérios do universo

Entenda por que a luz das estrelas que vemos no céu são apenas ecos de astros que já não existem mais

Mulher de costas, com um celular na mão, fotografa uma enorme raia branca em um aquário. O animal é acompanhado de seis pequenos peixes e a imagem é obtida com baixa iluminação (Foto: Julien Lanoy em Unsplash) Um terço dos tubarões e raias do mundo está ameaçado de extinção; diminuição afeta equilíbrio marinho

Painel internacional aponta que a pesca é a grande responsável pela redução da população dessas espécies, o que afeta o equilíbrio marinho

Descrição em inglês Cellulose nanocrystals may reduce bacterial activity on surfaces

With membranes made from this material, researchers managed to render inactive up to 90% of E. coli bacteria cells