Agência UFC

Saúde

UFC registra 39ª patente, que possibilita desenvolvimento de novos fármacos contra o câncer

Pesquisa confirma potencial anticâncer da síntese do 5-carba-pterocarpano em diversas linhagens tumorais, com seletividade e atividade biológica superior a produtos naturais

As neoplasias continuam sendo as principais causas de morbidade e mortalidade em todas as regiões do mundo, tornando o tratamento do câncer um grande desafio. O Laboratório de Oncologia Experimental (LOE) da Universidade Federal do Ceará, liderado pelos professores Manoel Odorico de Moraes Filho, Cláudia do Ó Pessoa e Carlos Roberto Koscky Paier, vem ao longo de três décadas prospectando moléculas com potencial anticâncer para a descoberta e desenvolvimento de medicamentos. 

A Profª Cláudia do Ó Pessoa explica que, como muitos medicamentos anticâncer não diferenciam células tumorais das saudáveis, os pacientes acabam sendo submetidos a níveis intoleráveis de toxicidade ou resistência tumoral. Assim, permanece a busca por quimioterápicos que tenham atuação seletiva, afetando prioritariamente as células doentes (tumorais) e preservando as saudáveis. 

Para contribuir com os avanços nessa área, os pesquisadores do LOE, vinculado ao Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos (NPDM) da UFC, têm se debruçado sobre várias moléculas, naturais ou sintéticas. “Dentre as moléculas identificadas como promissoras, destaca-se a classe dos pterocarpanos, que são produtos naturais com atividade biológica comprovada, como ação anticâncer, anti-inflamatória, antioxidante e antimicrobiana”, relata a Profª Cláudia do Ó Pessoa, coordenadora da pesquisa no LOE. 

O Laboratório de Oncologia Experimental da UFC, liderado pela Profª Claudia do Ó Pessoa, avaliou o potencial citotóxico dos compostos análogos aos pterocarpanos naturais (Foto: Viktor Braga/UFC)
O Laboratório de Oncologia Experimental da UFC, liderado pela Profª Claudia do Ó Pessoa, avaliou o potencial citotóxico dos compostos análogos aos pterocarpanos naturais (Foto: Viktor Braga/UFC)

Os pterocarpanos são substâncias naturais, obtidas de plantas da flora brasileira. Suas propriedades anticancerígenas têm sido largamente comprovadas pela literatura científica. Em parceria com a UFC, os pesquisadores do Laboratório de Química Bioorgânica (LQB) da Universidade Federal do Rio de Janeiro, liderados pelo Prof. Paulo Costa, realizaram a síntese de vários compostos análogos aos pterocarpanos naturais. 

O potencial citotóxico desses compostos foi avaliado no Laboratório de Oncologia Experimental (LOE) da UFC e a colaboração culminou na síntese do 5-carba-pterocarpano, que são substâncias análogas aos compostos naturais, mas com atividade citotóxica modulada em diversas linhagens tumorais, com seletividade e atividade biológica superior aos produtos naturais, apresentando uma ação com potencial antitumoral, como explica a Profª Cláudia do Ó Pessoa. 

A 39ª carta patente obtida pela UFC revela o processo de obtenção dos análogos carba-pterocarpanos e o uso do composto 5-carba-pterocarpano em terapias anticancerígenas e é resultado das pesquisas inovadoras que vêm sendo realizadas pelo grupo da UFC, em parceria com pesquisadores da UFRJ e UERJ. 

A invenção proporciona um processo de produção de novos compostos, derivados do grupo dos pterocarpanos, os análogos 5-carba-pterocarpanos que podem ser utilizados para conceber novas estratégias terapêuticas, aplicadas ao tratamento de tumores, em especial aos tumores de mama, de próstata, de cólon, glioblastoma (tumor cerebral maligno), de pulmão e tumores não sólidos, como as leucemias e síndrome mielodisplásica. 

O grupo do LOE-UFC tem atuado como catalisador no desenvolvimento de novos fármacos ou novos protótipos que possam ser inseridos como potenciais insumos farmacêuticos ativos para o setor produtivo da indústria farmacêutica no tratamento do câncer. 

A síntese total da molécula em grande escala está sendo desenvolvida pelo Laboratório de Biotecnologia e Síntese Orgânica da UFC (LABS), sob a coordenação da Profa. Maria da Conceição F. Oliveira (Foto: Ribamar Neto/UFC)
A síntese total da molécula em grande escala está sendo desenvolvida pelo Laboratório de Biotecnologia e Síntese Orgânica da UFC (LABS), sob a coordenação da Profa. Maria da Conceição F. Oliveira (Foto: Ribamar Neto/UFC)

“Na perspectiva de avançarmos a pesquisa, esforços estão sendo realizados para viabilizar os primeiros estudos em modelos animais, a fim de avaliar a segurança e validar a ação antitumoral da molécula alvo da patente. Para isso, a síntese total da molécula em grande escala está sendo desenvolvida no Laboratório de Biotecnologia e Síntese Orgânica da UFC, sob a coordenação da Profª Maria da Conceição F. Oliveira, em parceria com o grupo da UFRJ”, diz a Profª Cláudia do Ó Pessoa. 

“Acreditamos que o domínio de capacitações científicas, tecnológicas e de inovações é a força propulsora para impulsionar o arsenal terapêutico no tratamento do câncer, a fim de transferi-lo para o setor produtivo”, conclui a pesquisadora. 

Fonte: Profª Cláudia do Ó Pessoa, do Laboratório de Oncologia Experimental – e-mail: cpessoa@ufc.br

Texto por Milena Ribeiro

USE NOSSAS MATÉRIAS

A reprodução dos textos da Agência UFC é permitida, com atribuição. Caso o texto seja reproduzido na íntegra, ele deve ser assinado com o nome do repórter seguido do identificador “da Agência UFC”. Caso o texto passe por cortes ou ajustes no processo de edição, deve-se publicar apenas “da Agência UFC”, ou forma semelhante, de acordo com os padrões adotados pelo veículo.

Saiba mais sobre como usar as matérias da Agência UFC

Agência UFC 19 de abril de 2023

Assuntos relacionados

Noni (Foto: Viktor Braga/UFC) Noni pode ajudar pessoas com restrição ao glúten

Laboratório descobriu que enzimas extraídas do fruto quebram as proteínas do glúten, com potencial de aplicações em biscoito, macarrão e até cerveja de trigo

Moça deitada em um banco de praça (Foto: Banco de Imagens) Saiba o porquê da sonolência após as refeições

O nome científico para esse processo é Letargia Pós-prandial e tem a ver com o fluxo sanguíneo exigido pela digestão

Dois homens montam cadeira infantil de PVC (Imagens: Gutiérrez Reges/UFCTV) Núcleo oferece equipamentos para crianças com mobilidade reduzida

O NUTEP cria produtos como cadeiras de banho e alimentação a partir de canos de PVC, diminuindo o custo de produção