Agência UFC

Saúde

Quase metade dos testes de covid-19 foi aplicada no Brasil no tempo inadequado, revela estudo

Exames realizados fora do intervalo ideal específico de cada teste têm sua eficácia comprometida, elevando as notificações de falsos-negativos. Região Sul tem maior o percentual de inadequação; Nordeste, o menor

Quase metade dos testes para detecção da covid-19 realizados no Brasil foi aplicada em tempo inadequado, comprometendo, assim, a sua eficácia. É o que conclui estudo da Universidade Federal do Ceará, no qual pesquisadoras analisaram 1,79 milhão de notificações de casos suspeitos da doença feitas em todas as capitais brasileiras e no Distrito Federal. A região Sul apresentou maior índice de inadequação, enquanto a Nordeste, a menor.

A pesquisa intitulada “Intervalo de tempo decorrido entre o início dos sintomas e a realização do exame para COVID-19 nas capitais brasileiras, agosto de 2020”, publicada na revista científica Epidemiologia Serviços de Saúde, analisou dados referentes ao período de 1ª de março e 18 de agosto de 2020. Neste intervalo, o tempo médio que os pacientes brasileiros verificados levaram do início dos sintomas até a execução dos testes foi de 10 dias.

No Brasil, cinco tipos de testagem têm sido aplicados, sendo que somente os exames RT-PCR (841,0 mil testes) e teste rápido de anticorpo (827,7 mil) responderam por 92% do total de exames analisados no período. Cada um dos cinco tipos possui um tempo adequado específico para a sua aplicação.

O RT-PCR, considerado o diagnóstico padrão-ouro, deve ser aplicado de 3 a 7 dias do aparecimento dos sintomas. O teste detecta o ácido nucléico do vírus no escarro, esfregaços de garganta e secreções das amostras do trato respiratório inferior. Já o teste rápido de anticorpo, que verifica a resposta imunológica do organismo por meio da identificação de anticorpo na análise sanguínea, deve ser realizado somente a partir do oitavo dia da aparição das manifestações da doença.

Entretanto, o estudo observou que o intervalo ideal dos exames não foi respeitado em uma a cada duas testagens. No caso do RT-PCR, 47,9% das aplicações foram em prazo incorreto; já no teste rápido de anticorpo, a taxa de inadequação foi de 46,6%. Outros exames tiveram uma margem ainda maior de erro, no que se refere ao período de testagem. O teste rápido de antígeno, que deve ser feito de 2 a 7 dias do surgimento dos sintomas, teve 68% de suas aplicações fora do prazo, o resultado mais negativo observado na pesquisa. Assim como o RT-PCR, esse exame detecta a proteína do vírus no organismo, entretanto, possui uma sensibilidade inferior nos resultados.

A pesquisa mostrou que essa realidade sofreu variação conforme as regiões geográficas brasileiras. Nas capitais sulistas, 66,1% dos testes foram realizados em período inadequado; já no Nordeste, o percentual foi de 41,6%.

FALSO-NEGATIVOS – A falha no tempo adequado de aplicação acarreta uma maior chance de detecção de falso-negativos. As pesquisadoras reforçam que isso impede a equipe de saúde de isolar os suspeitos, fazendo com que não se consiga quebrar a cadeia de transmissão da doença, o que dificulta seu controle.

“No início da pandemia, tudo era muito novo. Dessa forma, a necessidade de agir com rapidez, somada à escassez de conteúdo sobre a doença e seus testes, bem como a pressão popular em realizar um teste, seja ele qual fosse, podem ter sido fatores que levaram a esse alto índice de exames realizados em períodos inadequados”, analisa a Profª Elisângela Teixeira, do Departamento de Enfermagem da UFC e uma das autoras do artigo.

A autora Paula Queiroz, que atuou na linha de frente de combate à covid-19, relatou: “Havia uma pressão popular muito grande. Quando chegava um paciente à unidade à procura de testes e este recebia a informação de que teria que ficar em isolamento e realizar o teste a partir de 8 dias, por exemplo, ele não aceitava bem a informação. Alguns chegavam a alterar a data do início dos sintomas somente para fazer o teste”, acrescenta.

Agente de saúde utiliza cotonete no nariz de uma mulher para testagem de covid-19
O teste PCR é o mais indicado para verificação da covid-19, sendo considerado o exame padrão-ouro (Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado)

TESTES INADEQUADOS – Além do problema da utilização em períodos inadequados, o estudo identificou outro: o teste rápido de anticorpo foi usado em cerca de metade dos exames realizados, apesar de o Ministério da Saúde considerar que os testes sorológicos (teste rápido, ELISA, ECLIA, CLIA) para covid-19 não devem ser utilizados, de forma isolada, para estabelecer a presença ou ausência do novo coronavírus.

Essa recomendação se dá porque os testes para diagnóstico de indivíduos que apresentam sintomas em contextos epidêmicos devem ter sensibilidade e especificidade altas (maior que 99%). Em geral, a sensibilidade dos testes sorológicos aprovados no Brasil (que é o caso dos testes rápidos) foi superior a 85%, e a especificidade, superior a 94%. A sensibilidade indica a capacidade de um teste de identificar, dentre as pessoas com suspeita da doença, aquelas que, de fato, estão doentes. Já a especificidade é a capacidade de o mesmo teste ser negativo nos indivíduos que não apresentam a doença que está sendo investigada.

A preocupação se dá porque um resultado falso-negativo – particularmente em indivíduos idosos ou cujos mecanismos normais de defesa contra infecção estejam comprometidos – pode resultar em uma alta taxa de morbimortalidade, que é o índice de pessoas mortas em decorrência de uma doença específica dentro de determinado grupo populacional. Além disso, um falso negativo aumenta o risco de transmissão para os profissionais de saúde.

Todavia, pela facilidade de aquisição, por possuir menor custo e pela praticidade de realizá-lo, já que não exige equipamentos ou habilidades especiais para seu uso, esse teste acabou sendo aplicado em larga escala no País. Ele tem se tornado uma “opção para a população geral no rastreamento de casos assintomáticos ou de pessoas com sintomas leves a moderados, sem necessidade de hospitalização, para observar a imunidade/recuperação dos casos confirmados”, destaca o estudo.

Agente de saúde segurando vários testes de covid-19
Pesquisa da UFC avaliou 1,79 milhão de notificações de casos suspeitos da doença feitas em todas as capitais brasileiras e no Distrito Federal (Foto: Governo do Estado de São Paulo)

Elisângela Teixeira explica que o Teste RT-PCR, apesar de ser padrão-ouro, exige um aparato tecnológico que nem todas as cidades do Brasil possuem para realizá-lo. “No início da pandemia, em alguns estados, sequer se fazia a análise. A coleta era enviada para outro estado e o resultado demorava dias e, em alguns casos, até mesmo semanas para sair. Isso dificultava bastante o planejamento quanto à doença”, avalia.

Ademais, pondera, o TR-PCR é um teste de alto custo. Hoje, alguns estados, a exemplo do Ceará, já conseguem entregar o seu resultado de RT-PCR em um prazo de 24 horas. “Isso, com certeza, auxilia na contenção da doença, pois identifica os casos ainda ativos, isolando-os, o que facilita a quebra da cadeia de transmissão da doença”, analisa a pesquisadora.

CUSTOS – Segundo o painel de testes diagnósticos disponibilizados no sítio eletrônico do Ministério da Saúde, até o dia 18 de fevereiro, tinham sido efetuados 23,5 milhões de testes no Brasil, totalizando um gasto financeiro de R$ 748,1 milhões. O painel aponta para uma ampliação da utilização do RT-PCR em relação ao período analisado no artigo, passando de 47,1% para 62,5% do total de exames aplicados. No período de referência do estudo, 18 de agosto de 2020, haviam sido investidos R$ 384,3 milhões em 15,1 milhões de testes realizados.

PRECISÃO NOS RESULTADOS – O estudo defende a importância da identificação do tempo utilizado na realização dos testes como um dado necessário para a elaboração de planos emergenciais, políticas de saúde pública e de capacitação dos profissionais da saúde para atuarem, de maneira eficiente, nas ações preventivas visando conter a pandemia.

Os dados apresentados na pesquisa mostram a necessidade de capacitação profissional para o emprego de testes de forma correta e no tempo apropriado, especialmente pelo fato de que existem diferentes exames no mercado, argumenta a Profª Elisângela Teixeira. Essas medidas, reforça, visam evitar a notificação de resultados falso-negativos.

Outros fatores, em adição à aplicação em tempo indeterminado, podem interferir nos resultados dos exames para covid-19, conforme o estudo. “A segurança e a qualidade dos testes diagnósticos podem ser ameaçadas pela identificação incorreta das pessoas e/ou do material coletado, coleta de amostra inadequada ou insuficiente, condições imprecisas de transporte e armazenamento da amostra (ex.: tempo de transporte prolongado e exposição a lesões)”, salienta o artigo.

Agente de saúde segurando uma amostra de sangue etiquetada com o nome covid-19
A testagem fora do prazo indicado de cada exame pode gerar notificações de falso-negativos (Foto: Divulgação)

Mais complicações também são citadas: a “presença de substâncias interferentes (ex.: componentes celulares, devido ao congelamento de sangue total e aditivos inadequados) e problemas decorrentes de procedimento na preparação da amostra, como erros de pipetagem durante a preparação manual da amostra ou alíquota, contaminação cruzada ou incompatibilidade da amostra”.

SUBNOTIFICAÇÃO – Uma vez que a testagem fora do prazo indicado de cada exame pode acarretar a notificação errada de resultados negativos, as conclusões obtidas pela pesquisa reforçam a hipótese de que os números da pandemia no Brasil não correspondem à realidade. Outros dados nacionais também levam a essa avaliação, como apontam as autoras do artigo.

“Inquéritos sorológicos realizados em diversos estados indicam o percentual de pessoas que já possuíam anticorpos contra a doença e, muitas, sequer tinham ido à procura do serviço de saúde. Além disso, o Brasil é um país que testa pouco quando comparado a outros países. Isso leva a um índice de subnotificação alto para a doença”, analisam.

AUTORAS – O estudo teve ainda como autoras as pesquisadoras Nila Larisse Silva de Albuquerque, Sabrina de Souza Gurgel Florencio, Maria Gabriela Miranda Fontenele, Glaubervania Alves Lima e Lorena Pinheiro Barbosa, todas do Departamento de Enfermagem da UFC. Assinam ainda a autoria Lanese Medeiros de Figueiredo, da Maternidade-Escola Assis Chateaubriand (MEAC/UFC); Ana Paula Oliveira Queiroz e Silvia Maria Costa Amorim, ambas do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde, da Secretaria de Saúde do Estado do Maranhão.

O artigo completo pode ser conferido na biblioteca virtual SciELO.

Fonte: Profª Elisângela Teixeira, do Departamento de Enfermagem da UFC – e-mail: felisangela@yahoo.com.br

Este texto faz parte de uma série sobre a produção científica da UFC relacionada à covid-19. Os textos vêm sendo publicados semanalmente na Agência UFC. Os resultados aqui apresentados não representam necessariamente a opinião da UFC sobre o assunto.

Sérgio de Sousa 9 de março de 2021

Assuntos relacionados

Homem calvo de costas, em um corredor, com destaque para a região sem cabelo (Foto: Viktor Braga/UFC) Você sabe o que provoca queda de cabelo?

Entre os fatores que causam a queda dos fios, estão os tratamentos com substâncias químicas, oleosidade, caspa e seborreia

Pesquisador em laboratório segurando um tubo, com medicamentos sem foco em primeiro plano (Foto: Jr. Panela/UFC) A melhora da eficiência no combate à tuberculose

Laboratório da UFC estuda formas de melhorar o atual tratamento da tuberculose, doença que ainda afeta 10 milhões de pessoas por ano

Pesquisadora na bancada segurando uma pipeta Biodiversidade brasileira pode gerar novo tratamento anticâncer

Pesquisadores da UFC se unem a instituições internacionais para estudar potencial farmacocinético de moléculas extraídas de planta e fungo