Agência UFC

Saúde

Pesquisa de julho com simulação de computador mostrava boa interação da azitromicina contra coronavírus

Esta é uma das três matérias que a Agência UFC traz hoje sobre pesquisas que tratam da relação entre a cloroquina, a hidroxicloroquina e a covid-19. Nosso objetivo é contribuir para os estudos e debates na busca soluções eficazes contra o Sars-Cov-2

Combater as contaminações por coronavírus e o desenvolvimento de sintomas graves da covid-19 passa também por entender como o vírus e a doença se comportam, considerando os mecanismos de infecção e a forma como se relacionam com determinadas moléculas. É o que tenta explorar um dos estudos realizados na Universidade Federal do Ceará.

Pesquisa alerta para risco de danos ao fígado causados pelo uso de hidroxicloroquina no combate à covid-19

Estudo publicado em novembro aponta que uso de hidroxicloroquina pode reduzir riscos de hospitalização de pacientes com covid-19

A pesquisa, publicada no International Journal of Antimicrobial Agents em julho de 2020, buscava, à época, lançar luz sobre como determinados medicamentos interagiam com a estrutura do coronavírus (SARS-CoV-2). A ideia era prover resultados que pudessem auxiliar estudos mais avançados sobre essas interações.

Três medicamentos tiveram seus mecanismos avaliados, em uma fase in silico, ou seja, simulação de computador: azitromicina, cloroquina e hidroxicloroquina. Os fármacos foram postos em interação com dois componentes do coronavírus: o domínio de ligação ao receptor (RBD) da proteína spike, principal ferramenta de conexão com o organismo humano, e a protease Mpro, possível alvo de medicamentos para inibir a replicação viral.

Além disso, o estudo também leva em consideração dois componentes presentes no corpo humano: a principal enzima receptora do vírus, a ACE2, na qual a proteína spike do coronavírus costuma se conectar, e a protease CTSL, que facilita a clivagem (como uma divisão celular) do vírus.

Entre os medicamentos testados à época, a azitromicina se destacou por ter apresentado forte ligação com todos os alvos escolhidos para a pesquisa, além de um maior número de interações, mostrando resultados mais promissores do que a cloroquina e a hidroxicloroquina (a primeira havia demonstrado maior afinidade com a ACE 2 e a Mpro; a segunda, com a Mpro e a CTSL).

“Nesse período (da publicação da pesquisa até aqui), muitos estudos foram publicados, sendo ainda controverso a indicação clínica de vários medicamentos. No entanto, resultados de ensaios clínicos serão determinantes para sanar as discussões e melhor orientação no tratamento contra a infecção causada pelo SARS-CoV-2”, aponta a Profª Dra Roberta Jeane Bezerra Jorge, orientadora do estudo.

As informações encontradas são importantes porque podem ajudar a determinar mecanismos voltados ao bloqueio do vírus e da replicação, utilizando essa interação como ponto de partida. Por exemplo, uma interação com a Mpro, peça fundamental para a replicação viral, significa uma possibilidade de que aquela molécula seja uma candidata a combater o vírus.

Isso não quer dizer, porém, que os medicamentos têm total eficácia comprovada contra o SARS-CoV-2 – visto que somente a testagem in silico foi feita –, mas que estudos mais aprofundados são necessários para avaliar o papel dessas interações moleculares no controle da covid-19.

METODOLOGIA

Os resultados foram obtidos a partir da metodologia da chamada docagem molecular (algo como acoplagem), que ajuda a caracterizar o comportamento dessas moléculas no local de ligação delas com as proteínas-alvo do estudo.

“É uma ferramenta-chave para predizer a melhor orientação de ajuste de um fármaco em uma proteína do vírus SARS-CoV-2”, avalia a Profª Roberta. “No caso da COVID-19, essa técnica facilita o teste computacional de vários fármacos que possam interagir de maneira satisfatória, além de predizer as interações de novas mutações do vírus e rastreio de novas drogas a essas variantes”.

Assim, essas primeiras avaliações direcionam pesquisas mais avançadas. “Os estudos computacionais (in silico) nos apresentam resultados iniciais permitindo selecionar moléculas mais promissoras a um determinado alvo. Com essa triagem se pode dar continuidade aos testes em células (in vitro) e em animais (in vivo) para possibilitar a realização posterior dos ensaios clínicos”, projeta a pesquisadora.

SAIBA MAIS

Para realizar a pesquisa, as proteínas-alvo e as amostras das moléculas dos medicamentos foram obtidas a partir de repositório virtual para estruturas químicas, que depois foram postas em software de computador, por meio do qual foram otimizadas. O estudo foi feito no Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos (NPDM), da UFC, através de parceria com diferentes laboratórios da unidade.

Assinam o artigo também o mestrando em Ciências Morfofuncionais Helyson Lucas Bezerra Braz (autor principal do estudo); a pesquisadora Aline Diogo Marinho, o Prof. João Alison de Moraes Silveira e a Profª Helena Serra Azul Monteiro (do Laboratório de Toxinologia); a Profª Elisabete Amaral de Moraes (Unidade de Farmacologia Clínica); e o Prof. Manoel Odorico de Moraes Filho (Laboratório de Farmacologia Pré-Clínica, Laboratório de Oncologia Experimental e diretor do NPDM). Todos integram a Faculdade de Medicina da UFC.

Leia o artigo completo (em inglês) publicado no International Journal of Antimicrobial Agents.

Fonte: Profª Roberta Jeane Bezerra Jorge, do Laboratório de Toxinologia do NPDM – e-mail: robertajeane@ufc.br

Este texto faz parte de uma série sobre a produção científica da UFC relacionada à covid-19. Os textos vêm sendo publicados semanalmente na Agência UFC. Os resultados aqui apresentados não representam necessariamente a opinião da UFC sobre o assunto.

Agência UFC 30 de março de 2021

Assuntos relacionados

Imagem em close de alga (Foto: Ribamar Neto/UFC) Moléculas marinhas podem ajudar no combate ao câncer

Pesquisa desenvolvida no NPDM realiza prospecção de substâncias com potencial de contribuir para tratamento antitumoral

Pesquisadora acompanha estrutura molecular de composto em tela de computador ((Foto: Jr Panela/Agência UFC) Pesquisa melhora fármacos contra Chagas e elefantíase

Pesquisadores estudam maneiras de melhorar fármacos contra as “doenças negligenciadas”, de pouco interesse para a indústria

Mão segurando pílulas de remédio com diferentes cores Pesquisa associa bullying e uso de drogas e álcool a transtornos alimentares

Estudo da UNIFESP, em parceria com a UFC, aponta que transtornos são mais frequentes em estudantes vítimas de bullying