Agência UFC

Ciências

Os benefícios do chá-verde encapsulado

Pesquisadoras desenvolvem cápsulas do chá-verde com todos os benefícios da bebida; novo produto é mais eficiente e não possui gosto marcante

Pesquisadoras do Departamento de Engenharia de Alimentos da Universidade Federal do Ceará querem estimular o consumo de chá-verde, grande aliado de quem tem buscado perder peso. Além de ajudar a queimar gorduras, por conta da cafeína e da catequina, o chá tem efeito antioxidante e pode ajudar a prevenir uma série de doenças. O sabor forte, porém, desagrada muita gente.

Para reduzir esse problema, as pesquisadoras criaram um novo produto, feito a partir do extrato do chá concentrado, que pode ser diluído em bebidas como leite e suco. O resultado são cápsulas em pó contendo todas as substâncias próprias do chá que lhe garantem as características termogênicas (auxiliares no emagrecimento e nos efeitos das atividades físicas) e apresentando sabor bem mais agradável ao paladar.

Além disso, se consumidas na dosagem sugerida, as cápsulas produzidas possuem eficiência maior no fornecimento das substâncias benéficas do chá para o organismo. A Academia de Nutrição e Dietética dos Estados Unidos sugere o consumo de quatro a seis xícaras de chá-verde por dia. Nos testes feitos durante a pesquisa da UFC, 4,6 gramas das cápsulas para 250 mililitros de suco já se revelaram suficientes para corresponder a esse consumo recomendado.

Tigela com chá-verde encapsulado, um pó de coloração amarela (Foto: Ribamar Neto/UFC)

Chá-verde encapsulado: sabor mais palatável e maior eficiência (Foto: Ribamar Neto/UFC)

Outra vantagem encontrada no produto é o aumento da capacidade antioxidante que ele gera no suco ou bebida em que é diluído. São moléculas desse tipo que reduzem o dano de oxidações em células do corpo e previnem o envelhecimento. Elas podem ajudar, inclusive, a evitar o surgimento de cânceres.

PESQUISA

O produto nasceu da pesquisa de mestrado da estudante Mayla Rodrigues. Os compostos benéficos do chá foram extraídos e concentrados para depois ser secados por liofilização (método de secagem a frio que preserva melhor os componentes).

Para garantir a proteção desses compostos e uma maior vida útil do extrato na prateleira, as pesquisadoras utilizaram os chamados materiais de parede na elaboração das microcápsulas do chá. A mistura do extrato com esses materiais passa por um novo processo de secagem (denominado spray drying), sendo submetida a altas temperaturas em um curto intervalo de tempo para se tornar um pó seco.

O método é necessário para que o chá-verde seja encapsulado e mantenha suas funções iniciais preservadas da melhor forma. “Isso é o que protege as propriedades funcionais e bioativas que o chá possui”, explica a Profª Lucicléia Torres, orientadora da pesquisa.

No caso do estudo, os materiais de parede escolhidos foram a goma do cajueiro e a maltodextrina, carboidrato já conhecido da indústria para cumprir esse tipo de papel. “Sem essas substâncias, o processo de secagem, que requer altas temperaturas, acabaria diminuindo as propriedades do chá. A temperatura do spray drying fica em torno de 90 graus centígrados, em um tempo muito curto, mas o produto resiste até os 100 graus centígrados”, garante a professora.

Equipe do Departamento de Engenharia de Alimentos no laboratório (Foto: Ribamar Neto/UFC)

Equipe do Departamento de Engenharia de Alimentos (Foto: Ribamar Neto/UFC)

Os próximos passos do trabalho servirão para realizar os testes de vida útil na prateleira, em que o produto será colocado em situações extremas de temperatura e ambiente para ter seu prazo de validade determinado. Além disso, a ideia é tornar a produção mais executável para a indústria, que já sinalizou interesse na comercialização do concentrado de chá.

Para tanto, as pesquisadoras pretendem buscar outros materiais de parede para substituir a goma do cajueiro, que, apesar de eficiente, ainda é pouco difundida na indústria por não estar disponível para venda. “As empresas querem um material seguro que elas possam comprar para desenvolver o produto”, diz a Profª Lucicléia.

A expectativa é que não seja difícil encontrar um substituto, já que há outros materiais com a mesma funcionalidade da goma e com boa capacidade de dissolução em bebidas. Após essa nova etapa do processo, as pesquisadoras esperam ver em breve as cápsulas de chá-verde nas gôndolas dos mercados.

Fonte: Profª Lucicléia Torres, do Departamento de Engenharia de Alimentos – e-mail: lucicleiabarros@hotmail.com

Kevin Alencar 14 de agosto de 2018

Assuntos relacionados

Três frascos com líquido azul fosforescente, com a cor ficando mais forte nos fracos da esquerda para a direita; o fundo é preto para destacar a cor UFC delivers faster, cheaper method for detecting pesticides in food products

The technology, developed in association with Chilean universities, uses light signals to identify contamination

Imagem do fóssil de planta (Foto: Divulgação) Fóssil revela nova espécie de planta na bacia do Araripe

A planta foi caracterizada por pesquisadoras do Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Recursos Naturais da UFC

Mapa com a origem dos genes da região: Europa, África e Ásia (Ilustração: Felipe Goes/UFC) Qual é a origem genética dos povos do semiárido?

Pesquisa da UFC revela, com dados surpreendentes, que há ascendência asiática na população do semiárido nordestino