Agência UFC

Ciências

Como reduzir o custo e aumentar a eficiência do hidrogel

A substância, utilizada na agricultura, é capaz de reter água em quantidade correspondente a mil vezes seu próprio peso, mas sua popularização esbarra no alto custo

Um produto com grande potencial para a agricultura, mas cujo uso enfrenta resistência devido ao alto custo, o hidrogel é uma substância capaz de reter água em quantidade que corresponde a mil vezes seu peso. Essa água armazenada passa a ser liberada paulatinamente para a plantação. Na prática, a substância funciona como uma caixa-d’água concentrada: apenas meio quilo de hidrogel garante 500 litros de água para a cultura.

O preço, no entanto, é uma barreira para sua popularização. Por isso, pesquisadores do Departamento de Química Orgânica e Inorgânica da Universidade Federal do Ceará têm trabalhado na produção de hidrogéis a partir de materiais alternativos, reduzindo os custos, além de aumentar sua eficiência.

Pesquisador da Química trabalha com hidrogel em bancada no laboratório (Foto: Ribamar Neto/Agência UFC)

Pesquisadores da Química da UFC conseguiram reduzir o custo do hidrogel em 20% (Foto: Ribamar Neto/Agência UFC)

Os atuais hidrogéis são copolímeros, formados de poliacrilamida e poliacrilato. Justamente por conta desses materiais, a produção se torna cara. Os pesquisadores encontraram uma solução para isso ao introduzir outros ingredientes, como minerais argilosos e pó de casca de ovo. Com isso, a substância fica em torno de 20% mais barata, a depender do percentual de utilização desses outros componentes.

Além do custo, o novo gel se mostra 20% mais eficiente, capaz de absorver 1,2 quilo de água para cada grama de hidrogel em estado inicial (cada quilo de água equivale a 1 litro).Com os novos materiais utilizados, também houve melhora na estabilidade mecânica do hidrogel, o que garante maior rigidez para o uso agricultural. “É um produto que vai se misturar no solo. Se for muito fluido, o solo fragmenta o hidrogel e ele perde um pouco de sua eficiência”, explica a Profª Judith Feitosa, orientadora da pesquisa.

O pó feito a partir da casca de ovo é um ingrediente de fácil obtenção, de baixíssimo custo. Os outros minerais usados – a dolomita e a bentonita – são baratos. Foi devido à dolomita que os pesquisadores chegaram à conclusão de que a casca do ovo poderia ser também um ingrediente vantajoso para a fórmula, por conta da semelhança química entre os dois materiais.

Equipe que participa da pesquisa: estudante Túlio Aragão, a professora Judith Feitosa e o mestrando Marcus Vinícius (Foto: Ribamar Neto/Agência UFC)

Equipe que participa da pesquisa: estudante Túlio Aragão, a professora Judith Feitosa e o mestrando Marcus Vinícius (Foto: Ribamar Neto/Agência UFC)

“Quando vimos que o hidrogel com dolomita, um calcário, tinha boa eficiência, pensamos: a casca de ovo também é majoritariamente um calcário. Fizemos testes e vimos que o hidrogel era bem promissor”, conta Marcos Vinicius, mestrando responsável pelo estudo. “Quimicamente, eles (a dolomita e a casca de ovo) são semelhantes, mas um é descartado” , justifica a Profª Judith, explicando ainda que o segredo para a eficiência do hidrogel está no equilíbrio entre os componentes.

A atual fase de estudos, em parceria com o Departamento de Ciências do Solo da UFC, está voltada à avaliação de toxicidade do hidrogel para a terra. “A poliacrilamida, um dos materiais de partida, é tóxica. Quando fazemos o polímero, ela deixa de ser. Queremos saber se, na decomposição, a toxicidade retorna”, explica a pesquisadora.

OUTROS USOS
Hidrogel em uma placa de laboratório (Foto: Ribamar Neto/Agência UFC)

Além da agricultura, os hidrogeis também são utilizados na elaboração de fraldas, absorventes e na indústria têxtil (Foto: Ribamar Neto/Agência UFC)

Os principais usos do hidrogel hoje feitos pela indústria estão centrados, além de na agricultura, na fabricação de fraldas e absorventes. No Brasil, segundo maior consumidor do gel no mundo (está atrás apenas dos EUA), há ainda grande procura para a utilização em mudas de café e eucalipto, no intuito de que elas criem resistência até ser plantadas.

Outra aplicação que vem sendo estudada na UFC é voltada às indústrias têxteis, setor que utiliza grande quantidade de corantes, despejados em afluentes comuns, sem o devido cuidado ambiental. Os pesquisadores testam hidrogéis com nova estrutura para absorver o material contaminante, garantindo que o despejo contenha menos resquícios de substâncias prejudiciais ao meio ambiente.

Além disso, os pesquisadores já estudaram como o hidrogel pode funcionar para fazer a liberação controlada de pesticidas no solo. Armazenados no gel, esses agentes tóxicos não precisariam ser administrados em quantidade e frequência usuais, uma vez que seriam liberados aos poucos, o que resultaria em redução de danos ambientais.

Fonte: Profª Judith Feitosa, coordenadora da pesquisa – e-mail: judith@dqoi.ufc.br

Kevin Alencar 17 de abril de 2018

Assuntos relacionados

Ondas chegando suavemente ao litoral (Foto: Unsplash/Banco de Imagens Pixabay)) Saiba a relação entre a formação dos oceanos e a vida na Terra

Não foi por coincidência que a vida começou nesses ambientes aquáticos, desde as primeiras células até os seres vivos mais complexos

Caranguejo se alimentando de propágulo da espécie Rhizophora mangle (Foto: Alexander Ferreira/LABOMAR) Recuperação de manguezais para reduzir efeitos das mudanças climáticas

Pesquisa aponta que áreas do ecossistema que recebem projetos de recuperação têm maior capacidade de retirada de carbono em relação às que se recuperam naturalmente

Líquido de fruta sendo despejado sobre formas para congelamento (Foto: Viktor Braga/UFC) Resíduo de frutas e legumes é usado para produzir corante natural

Pesquisadores da Gastronomia e Engenharia de Alimentos da UFC aproveitam potencial de produtos como beterraba para desenvolver corantes saudáveis