Agência UFC

Ciências

Molécula pesquisada em parceria com a UFC pode ajudar contra fungos super-resistentes

Desenvolvido em laboratório, o peptídeo sintético aumenta eficiência de remédio, tornando-o capaz de matar fungo causador da aspergilose

Pesquisa desenvolvida em parceria com a Universidade Federal do Ceará e publicada na Nature tem buscado resolver problemas que não são novos no combate aos fungos causadores de doenças em humanos: a escassez de novos medicamentos e a resistência dos microrganismos aos medicamentos que já são conhecidos.

Espécie que se beneficia dessa resistência às drogas farmacológicas é o Aspergillus fumigatus, fungo presente no ar e no solo, causador da aspergilose. Em sua forma mais letal, classificada como aspergilose pulmonar invasiva, a doença chega a ter mais de 300 mil casos no mundo todo por ano, com taxa de mortalidade que chega a 90% entre a população mais suscetível à infecção.

Uma possibilidade de tratamento para a doença é o fármaco caspofungina. A substância sozinha, porém, não consegue driblar a resistência desenvolvida pelo A. fumigatus nem é capaz de atuar para matar de fato o fungo. É aí que a pesquisa desenvolvida em conjunto com a UFC pode fazer a diferença: utilizando moléculas sintéticas criadas em laboratório em conjunto com o remédio, o efeito farmacológico pode ser melhorado.

A molécula sintética, do tipo peptídeo, é a brilacidina (BRI). Quando combinado à caspofungina, o peptídeo é capaz de potencializar a atividade da droga, não apenas contra o A. fumigatus mas também contra outros patógenos fúngicos. Na prática, a BRI influencia diretamente na capacidade de resistência do fungo ao afetar sua membrana celular.

A imagem da direita mostra o fungo tratado apenas com a caspofungina (CAS); na imagem da esquerda, vê-se a redução da quantidade do fungo com a adição da brilacidina (BRI) (Imagem: Reprodução)
A imagem da direita mostra o fungo tratado apenas com a caspofungina (CAS); na imagem da esquerda, vê-se a redução da quantidade do fungo com a adição da brilacidina (BRI) (Imagem: Reprodução)

“A brilacidina torna o fungo sensível novamente ao efeito da caspofungina. Sem a brilacidina, a caspofungina não tem efeito nenhum sobre o fungo”, reforça o pesquisador Pedro Filho Noronha de Souza, professor visitante no Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos (NPDM) da UFC e coautor do artigo publicado na Nature sobre a pesquisa.

Já testada tanto in vitro quanto in vivo, em modelos animais, a BRI se provou não tóxica para células de mamíferos, o que a torna uma boa candidata a funcionar como sinergizador da caspofungina. Assim, considerando a complexidade de criação de novas drogas, o reaproveitamento de fármacos, com novas possibilidades, se torna uma saída para o desenvolvimento de novas modalidades de tratamento.

MIMETIZAÇÃO

Para chegar à BRI, os pesquisadores se debruçaram sobre uma coleção contendo 1.402 compostos ao todo, buscando aprimoradores das funções da caspofungina que pudessem ajudar a inibir o crescimento fúngico ao ser combinados com a droga. A brilacidina foi o peptídeo que se destacou, ao se mostrar contra o biofilme do A. fumigatus, afetando a organização de sua parede celular.

Isso pode ser explicado pelo fato de a BRI ser uma molécula criada para mimetizar a estrutura das proteínas de defesa do hospedeiro presentes em nosso organismo. “As proteínas de defesa do hospedeiro já possuem uma atividade natural contra o fungo. Essas proteínas constituem nossa defesa. Então, ao mimetizá-las, o BRI também apresenta essa atividade”, resume o Prof. Pedro de Souza.

O sinergismo apresentado entre a BRI e a caspofungina, além do potencial de combate ao A. fumigatus, também se mostrou eficaz contra outros fungos: o C. albicans, espécie comumente causadora de infecções como a candidíase, e o C. neoformans, responsável por infecções no pulmão.

Outra espécie que também se mostrou suscetível à combinação do peptídeo com o medicamento foi a C. auris, que tem recebido atenção da mídia nas últimas semanas, sendo chamado de “superfungo” justamente por conta da sua resistência aos medicamentos tradicionais.

O gráfico mede a quantidade de fungo em cada tipo de tratamento: na barra A, o modelo de controle, sem tratamento; na barra B, o tratamento usando somente a brilacidina; na C, apenas o uso da caspofungina; já na última barra, a D, a união da caspofungina com a brilacidina (Imagem: Reprodução)
O gráfico mede a quantidade de fungo em cada tipo de tratamento: na barra A, o modelo de controle, sem tratamento; na barra B, o tratamento usando somente a brilacidina; na C, apenas o uso da caspofungina; já na última barra, a D, a união da caspofungina com a brilacidina (Imagem: Reprodução)

PEPTÍDEOS

O caminho até que o peptídeo sintético seja de fato usado na indústria farmacológica é longo e tudo depende ainda de muitos outros testes. Na UFC, moléculas desse tipo já vêm sendo estudadas pelo potencial que possuem no combate a microrganismos de modo geral, incluindo bactérias e vírus.

Os trabalhos são desenvolvidos pelo Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos da UFC. Em uma das pesquisas, o coronavírus responsável pela pandemia de covid-19 foi um dos objetos de estudo.

Apesar do esforço necessário pela frente, o Prof. Pedro de Souza entende que os peptídeos já desempenham papel importante no desenvolvimento de medicamentos. “As peptide-based drugs [drogas baseadas em peptídeos, em tradução livre] são o futuro das drogas que irão combater a resistência aos antimicrobianos”, diz.

“Os peptídeos apresentam mecanismos que tornam muito dificil o desenvolvimento de resistência. Além disso, os peptideos podem ajudar drogas a funcionar novamente. Com certeza são a nossa nova chance de ter drogas mais eficientes contra microrganismos multirresistentes”, projeta o pesquisador.

Fonte: Prof. Pedro Filho Noronha de Souza, pesquisador do Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular e do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos da UFC – e-mail: pedrofilhobio@ufc.br / pedrofilhobio@gmail.com

USE NOSSAS MATÉRIAS

A reprodução dos textos da Agência UFC é permitida, com atribuição. Caso o texto seja reproduzido na íntegra, ele deve ser assinado com o nome do repórter seguido do identificador “da Agência UFC”. Caso o texto passe por cortes ou ajustes no processo de edição, deve-se publicar apenas “da Agência UFC”, ou forma semelhante, de acordo com os padrões adotados pelo veículo.

Saiba mais sobre como usar as matérias da Agência UFC

Kevin Alencar 6 de junho de 2023

Assuntos relacionados

Mapa com a origem dos genes da região: Europa, África e Ásia (Ilustração: Felipe Goes/UFC) Qual é a origem genética dos povos do semiárido?

Pesquisa da UFC revela, com dados surpreendentes, que há ascendência asiática na população do semiárido nordestino

Mulher pesquisadora usando pipeta no balcão do laboratório Nanopartículas criadas em estudo da UFC melhoram eficiência de fármaco contra leishmaniose

Pesquisadores encapsularam nas nanopartículas a anfotericina B, importante remédio antifúngico, reduzindo efeitos colaterais

A pesquisa foi realizada no rio Verruga, na Bahia (Foto: Kaíque Mesquita Cardoso) Estudo em parceria com UFC avalia elementos tóxicos em solo de bacia hidrográfica na Bahia e estabelece padrão para outras regiões

Pesquisa é importante para estabelecer valores de referência, visando à formação de políticas públicas para preservação do solo