Agência UFC

Saúde

Saiba o porquê da sonolência após as refeições

O nome científico para esse processo é Letargia Pós-prandial e tem a ver com o fluxo sanguíneo exigido pela digestão

Após o almoço, é muito comum sentir sono e cansaço antes de dar seguimento às atividades do turno da tarde. E na correria do dia a dia nem sempre temos tempo para relaxar um pouco e tirar aquele cochilo restaurador. Mas por que sentimos isso e qual a relação entre comida e sono?

Quando terminamos de comer, o alimento chega ao estômago e é necessária uma concentração do fluxo sanguíneo para iniciarmos a digestão. A quantidade de sangue diminui no cérebro, para que ele seja então direcionado ao trato gastrointestinal. Dessa forma, nosso organismo nos envia um recado para que reduzamos o gasto de energia, para poder priorizar a absorção de nutrientes.

O Prof. Vicente Pinto, do Curso de Medicina da UFC em Sobral, explica os detalhes da Letargia Pós-prandial, nome científico para esse processo de sonolência que costumamos ter na sequência das refeições.

Entenda os motivos no quadro Agora Você Sabe, da Rádio Universitária FM 107,9 MHz.

Agência UFC 4 de maio de 2017

Assuntos relacionados

Paciente com a língua para fora e enfermeiro aplicando laser sobre ela Tratamento com laser ajuda a prevenir perda de paladar durante quimioterapia

A tecnologia evita que pacientes com câncer tenham sua alimentação prejudicada e precisem interromper o tratamento

Fotografia de tronco da árvore jucá Estudo da UFC testa moléculas biológicas com potencial para inibir o novo coronavírus

As chalconas são compostos biológicos que podem ser obtidos em fontes naturais ou de forma sintética. A pesquisa ainda está em fase inicial, mas os resultados têm se mostrado promissores

Criança com sinais de desnutrição sendo alimentada em uma área de refugiados localizada em Bangladesh (Foto: Mallika Panorat/União Europeia) Pesquisa melhora flora intestinal de crianças desnutridas

Publicado na “Science”, estudo revela que há um padrão de bactérias em intestinos saudáveis, o que ajuda a desenvolver dietas voltadas à correção de deficiências