Agência UFC

Sociedade e Cultura

Universidade Camponesa atua para evitar o êxodo rural de jovens

Professores e alunos da UFC sugerem técnicas de preservação e conservação do semi-árido em uma escola familiar agrícola, em Independência

Por Narjara Rocha
do Blog Divulgando a Extensão

No Sertão dos Inhamuns, jovens camponeses estudam e aplicam o conhecimento adquirido, na sala de aula, em suas comunidades. Lá é desenvolvida uma forma diferente de educar. Para que o caminho de jovens nascidos em cidades do interior não seja o êxodo para as capitais, as escolas familiares agrícolas (EFAs) buscam o desenvolvimento local sustentável, através do fortalecimento da agricultura familiar e da inserção profissional dos jovens no meio rural. E é em uma dessas instituições que o projeto de extensão Universidade, Escola Camponesa e Convivência no Semiárido atua.

A Escola Família Agrícola Dom Fragoso está situada na localidade de Santa Cruz, a 14 km da cidade cearense de Independência, e é uma alternativa educacional com objetivo de desenvolver o campo, considerando a convivência com o semiárido.

A área de 135 hectares, na depressão sertaneja, abriga a estrutura da escola com dois alojamentos para alunos, duas salas de aula, refeitório, biblioteca, laboratório de informática, uma rádio interna, quatro alojamentos para monitores e auxiliares e uma sala de professores.

Atualmente, a instituição atende 130 alunos dos municípios de Independência, Tauá, Quixeramobim, Santa Quitéria, Monsenhor Tabosa, Choró, Crateús, Tamboril, Nova Russas e Parambu. Inicialmente, a EFA trabalhava apenas com alunos do ensino fundamental, mas, atualmente, oferece também turmas de ensino médio e profissional em agropecuária.

Na EFA Dom Fragoso, os estudantes alternam 15 dias na escola e 15 dias na comunidade, para que possam praticar atividades dirigidas às comunidades de origem

O projeto político-pedagógico propõe-se diminuir os índices de evasão e de repetência dos estudantes e estimular a permanência deles no campo. Nesse sentido, trabalha-se a educação em três dimensões: formal (escola), não-formal (comunidade e sociedade) e informal (família).

Para alcançar os objetivos traçados, é aplicada na escola a “pedagogia da alternância”: os estudantes alternam 15 dias na escola e 15 dias na comunidade, para que possam praticar atividades dirigidas às comunidades de origem.

 

Na Casa das Sementes, alunos armazenam sementes coletadas na comunidade (Foto: Grasiele Ribeiro/Divulgação)

O PROJETO DE EXTENSÃO

É nesse ambiente de valorização da terra que o projeto de extensão Universidade, Escola Camponesa e Convivência no Semiárido faz sua contribuição. A professora do Departamento de Geografia da UFC Alexandra Oliveira é quem coordena os trabalhos. Ao longo do ano, durante os dias letivos, a docente e seus alunos planejam as ações e elaboram os materiais para serem utilizados durante as visitas à EFA, que acontecem geralmente no período de férias da UFC. O trabalho de campo do grupo da UFC na escola camponesa dura cerca de cinco dias.

Durante a estadia do grupo de universitários, ocorrem oficinas para troca de experiências com os alunos e as comunidades e são propostas técnicas de preservação e convivência com o semiárido. Além disso, já foi produzido material didático relacionado ao uso de geotecnologias, conjunto de tecnologias para coleta, processamento, análise e disponibilização de informação geográfica.

O grupo pretende ainda produzir outros materiais, a partir de demandas dos professores e alunos da EFA. O intuito é deixar na escola um instrumento didático de pesquisa e encaminhá-lo para outras unidades educativas do campo. Desses encontros, já resultaram diversos trabalhos acadêmicos e participações em encontros científicos.

Alunos aprendem como funciona o “minhocário” na Escola Foto: Grasiele Ribeiro/Divulgação)

Para a aluna Grasiele Ribeiro, bolsista do projeto, a experiência ultrapassa a formação acadêmica e contribui para que ela seja uma pessoa melhor. “Eu me apaixono, cada vez mais, pela metodologia pedagógica e pelas ações que a escola desenvolve, (ações) que não estão preocupadas apenas com um campo sustentável, mas sobretudo com uma educação humanizada, o que me faz criar novas perspectivas para o futuro”, enfatiza a estudante do segundo semestre do curso de Geografia da UFC.

Para a professora Alexandra Muniz, coordenadora do projeto, a ida dos alunos da UFC até a escola e a troca de experiências proporcionada pela ação extensionista indicam que “ser professor não é só ter domínio de conteúdo”.

Para ela, a o projeto na EFA mostra que ser docente é estar aberto a contribuir com a comunidade, ser participativo. “Isso renova a nossa leitura de ciência, de profissão, de cidadania, de posicionamento político, de crença no que estamos fazendo. Então, levar os alunos também é dizer: ‘Olha, existem outras formas de trabalhar, não é só aquela que você está enxergando lá no estágio. Existem outras formas e é preciso abrir a cabeça para isso”, conclui a professora.

Fonte: Profª Alexandra Muniz – fone: 85 3366 9855 / e-mail: alexandra.oliveira@ufc.br

Agência UFC 29 de agosto de 2017

Assuntos relacionados

Imagem de barqueiro contra a luz do sol, passando por um túnel. No barco, estão bandeiras do Brasil, do Peru e da Colômbia (Foto: Banco de Imagens/Mauricio Goméz Quintero) Na Tríplice Fronteira, a vida vai além da violência

Pesquisa da UFC mostra que os moradores de Tabatinga, Amazonas, têm muito mais para falar do que histórias de insegurança

Crianças em uma mesa, desenvolvendo atividades de desenho e pintura no IPREDE (Foto: Clarice Nascimento/PREX-UFC) Ateliê do IPREDE: a arte como aliada do desenvolvimento infantil

Projeto promove arte e educação por meio de atividades lúdicas com crianças atendidas no Instituto Primeira Infância

Duas estudantes crianças tocando instrumentos de sopro Alunos de escola pública aprendem instrumentos com projeto da UFC

O projeto de extensão ajuda a mudar a realidade de adolescentes por meio da música, com o ensino de instrumentos de sopro