Agência UFC

Saúde

Saúde Pública: por que é tão difícil combater o Aedes aegypti?

Entenda as dificuldades de combater o mosquito causador da dengue, chikungunya e outras doenças

O Aedes aegypti transformou-se em um grande vilão para a saúde pública, uma vez que além da dengue, também é capaz de transmitir outras doenças, como febre amarela, zika e chikungunya. Esse mosquito originário da África consegue se adaptar bem em ambientes urbanos e em regiões tropicais e subtropicais. Possui menos de um centímetro de comprimento, cor preta, manchas brancas nas pernas e apresenta hábitos diurnos. A fêmea desse animal precisa beber sangue humano para concluir o amadurecimento das cascas dos ovos, que, após a postura, conseguem resistir por um ano em estado de latência até serem preenchidos por água limpa e parada e eclodirem para originar as larvas.

O infectologista Ivo Castelo Branco, coordenador do Núcleo de Medicina Tropical da UFC, explica por que é tão difícil combater esse mosquito e defende a responsabilidade compartilhada dos governantes e da população para ajudar na prevenção das doenças causadas por esse vetor.

Ouça a seguir o quadro Agora Você Sabe, da Rádio Universitária FM 107,9 MHz.

Agência UFC 8 de maio de 2017

Assuntos relacionados

Orientação de primeiros socorros com modelo boneco (Foto: Luana Oliveira/PREX) Projeto ensina primeiros socorros para estudantes do ensino básico

Ação desenvolvida pelo Curso de Medicina ensina técnicas de ressuscitação cardiorrespiratória a alunos do ensino fundamental e médio

Em primeiro plano, caixas de sulfato de hidroxicloroquina sobre uma caixa; em segundo plano, há a mão de uma pessoa fazendo anotações em uma prancheta (Foto: Jader Paes/Agência Pará) Estudo publicado em novembro aponta que uso de hidroxicloroquina pode reduzir riscos de hospitalização de pacientes com covid-19

Esta é uma das três matérias que a Agência UFC traz hoje sobre pesquisas que tratam da relação entre a cloroquina, a hidroxicloroquina e a covid-19. Nosso objetivo é contribuir para os estudos e debates na busca soluções eficazes contra o Sars-Cov-2

Silhueta de uma grávida, aparecendo do tronco à pelve, em fundo amarelado (Foto: Divulgação) Como o uso de drogas na gravidez afeta comportamento e postura de recém-nascidos

Pesquisa com 43 bebês filhos de dependentes químicas mostra que grande parte dos recém-nascidos apresenta postura patológica, irritabilidade extrema e dificuldade de dormir