Agência UFC

Saúde

Saúde Pública: por que é tão difícil combater o Aedes aegypti?

Entenda as dificuldades de combater o mosquito causador da dengue, chikungunya e outras doenças

O Aedes aegypti transformou-se em um grande vilão para a saúde pública, uma vez que além da dengue, também é capaz de transmitir outras doenças, como febre amarela, zika e chikungunya. Esse mosquito originário da África consegue se adaptar bem em ambientes urbanos e em regiões tropicais e subtropicais. Possui menos de um centímetro de comprimento, cor preta, manchas brancas nas pernas e apresenta hábitos diurnos. A fêmea desse animal precisa beber sangue humano para concluir o amadurecimento das cascas dos ovos, que, após a postura, conseguem resistir por um ano em estado de latência até serem preenchidos por água limpa e parada e eclodirem para originar as larvas.

O infectologista Ivo Castelo Branco, coordenador do Núcleo de Medicina Tropical da UFC, explica por que é tão difícil combater esse mosquito e defende a responsabilidade compartilhada dos governantes e da população para ajudar na prevenção das doenças causadas por esse vetor.

Ouça a seguir o quadro Agora Você Sabe, da Rádio Universitária FM 107,9 MHz.

Agência UFC 8 de maio de 2017

Assuntos relacionados

Pessoa com a mão em gordura acumulada na barriga Barriga ou quadril? Pesquisadores desvendam relação entre gordura e doenças cardiovasculares

Trabalho do Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública da UFC identificou que quantidade maior de gordura nos membros inferiores tende a gerar mais proteção contra doenças cardiovasculares

Foto mostra dois pescadores no Rio Ceará. Um deles usa chapéu de palha e está dentro um pequeno barco, enquanto o segundo está em pé, na margem, segurando uma tarrafa. Ao fundo do rio, mata verde. Do lado direito, vê-se a ponte do Rio Ceará (Foto: Equipe Lacor/Labomar/UFC) Estudos da UFC comprovam elevada contaminação em águas, peixes e mariscos dos rios Ceará e Cocó com agrotóxicos urbanos

Investigação também identificou presença de substâncias tóxicas em peixes, caranguejos e sururus do rio Jaguaribe e do delta do Parnaíba

Imagem da sombra de um adulto segurando a mão de uma criança Crianças têm mais risco de sofrer experiências adversas quando há ausência paterna e mãe não tem rede de apoio social, aponta estudo

Abuso físico e emocional são os principais comportamentos violentos aos quais crianças identificadas na pesquisa estiveram expostas