Agência UFC

Ciências

O que são as manchas marrons na praia do Futuro?

Pesquisadores da UFC estudam a relação do fenômeno no litoral cearense com o período chuvoso e a intensidade de ondas e marés

Em muitos litorais, é comum a aparição de manchas de coloração marrom, que costumam assustar banhistas e moradores, dado o desconhecimento sobre suas causas e efeitos. Para sanar essas dúvidas, pesquisadores do Instituto de Ciências do Mar (Labomar), da Universidade Federal do Ceará, estudaram o fenômeno na praia do Futuro, em Fortaleza, buscando entender sua relação com ondas, marés, vento e chuva.

“Muitas pessoas associam as manchas com a ocorrência de derramamento de óleo ou de poluição. Entretanto, as manchas marrons nessa praia são formadas pela presença de duas espécies de pequenas algas, chamadas diatomáceas”, explica a oceanógrafa Andrea Franco, formada pela UFC e atualmente aluna de doutorado na Universidade Federal do Rio Grande (FURG).

As diatomáceas são organismos unicelulares que chegam a atingir 2 milímetros de tamanho e vivem junto à areia, no fundo do mar. “Até o momento não identificamos espécies tóxicas formando essas manchas”, complementa Andrea.

A pesquisa, feita em parceria com a FURG, mostrou que é durante o primeiro semestre do ano, no período chuvoso no Ceará, que há maior incidência de manchas. Com a chuva, mais nutrientes acabam sendo carregados até o mar, aumentando a quantidade desses micro-organismos.

Os fatores mais importantes, porém, são a maior intensidade das ondas e a força da maré, que promovem um movimento chamado swell: é como um revolvimento que puxa o que está no fundo, levando as diatomáceas para o topo. O tamanho das manchas, portanto, é diretamente influenciado por essas condições.

Dessa forma, somente a presença maior de nutrientes não é suficiente para que o fenômeno ocorra, como lembra o Prof. Marcelo Soares, um dos responsáveis pela pesquisa. “Em outras praias, como a Beira-Mar, as manchas não surgem, porque a água lá é parada”, justifica. “Se fosse apenas pelo nutriente, o fenômeno também aconteceria lá.”

Mesmo assustando banhistas, o fenômeno possui um impacto positivo na produtividade do ambiente marinho e da atividade pesqueira

Justamente por conta do papel da maré nesse processo, a pesquisa é uma novidade para estudos sobre o tema, que não haviam ainda se dedicado a litorais próximos à Linha do Equador. Em outros locais onde as manchas também surgem, como África do Sul, Austrália e sul do Brasil, nas praias do Rio Grande do Sul, a maré não tem a mesma força, surtindo pouca influência.

“Tenho estudado o fenômeno das manchas marrons na praia do Futuro desde a década de 1990 e é um fenômeno de interesse local e internacional pela forma como acontece. Ainda não temos dados para relacionar a ocorrência de manchas (aumento e acumulação das diatomáceas) com a de poluição, porém os resultados permitem entender em que época ocorrem mais e as razões naturais para isso”, explica outra autora do estudo, a pesquisadora Maria Odete Parente Moreira, do Labomar.

Orla da praia do Futuro, com manchas marrons (Foto: Divulgação)

Com o excesso de nutrientes e a forte maré, as diatomáceas acabam se acumulando na orla da praia (Foto: Divulgação)

Mesmo assustando banhistas, que acabam preferindo evitar a água com manchas, o fenômeno possui um impacto positivo na produtividade do ambiente marinho e da atividade pesqueira. “Os pescadores gostam das manchas, porque as águas ficam carregadas de nutrientes e mais peixes visitam o local, além de o fenômeno ser algo importante para o turismo, por conta da curiosidade gerada”, diz Marcelo.

Os pesquisadores fizeram visitas à praia do Futuro durante um ano para avaliar os períodos de aumento e diminuição das manchas. Os resultados foram publicados em artigo na revista internacional Estuarine, Coastral and Shelf Science, disponível para leitura on-line.

Mesmo não estando ligada inicialmente ao despejo de substâncias como óleo ou petróleo, a ocorrência do fenômeno não pode ser utilizada como indicador de qualidade da água, que ainda pode estar imprópria para banho por outros fatores que não estejam relacionados à presença das manchas.

Fonte: Prof. Marcelo Soares, do Labomar – e-mail: bio_marcelo@yahoo.com.br

Kevin Alencar 27 de fevereiro de 2018

Assuntos relacionados

Zoom em bactéria roxa, com formato cilíndrico, em fundo escuro Nanocristais de celulose podem reduzir atividade bacteriana em superfícies, aponta pesquisa

Com revestimentos feitos a partir dos nanocristais, pesquisadores conseguiram tornar inativas até 90% das células da bactéria E. coli

Mão de pesquisador segurando pequeno frasco (Foto: Ribamar Neto/UFC) Gengibre ajuda no combate à infecção generalizada

Pesquisadores descobriram que os gingeróis auxiliam na proteção das funções renais e melhoram o prognóstico de pacientes com sepse

Plantação de pitaia, com fruta em primeiro plano (Foto: Ribamar Neto/UFC) Abelhas ajudam a ampliar cultivo de pitaia no Ceará

Pesquisadores da UFC identificaram a importância das abelhas e mariposas na produção da fruta no Ceará