Agência UFC

Ciências

Alternativas mais baratas de rações para camarão

Pesquisadores do Labomar produziram ração de origem vegetal, reduzindo custos para fabricantes do alimento e produtores

Produtores e pesquisadores do ramo da carcinicultura sabem que uma ração adequada para a criação de camarões pode fazer toda a diferença. O problema é que essa alimentação é uma das maiores despesas operacionais, podendo corresponder à faixa de 50% a 70% dos custos. Por isso, o Centro de Estudos Ambientais Costeiros (CEAC), do Instituto de Ciências do Mar (Labomar) da Universidade Federal do Ceará, tem trabalhado para criar alternativas de rações mais baratas com a mesma eficiência das convencionais.

Uma das recentes pesquisas do centro resultou em uma ração para camarões feita quase totalmente de ingredientes de origem vegetal encontrados no Brasil. O produto é menos custoso, tanto para o fabricante do alimento quanto para o criador que o compra, justamente por abrir mão da maior parte dos componentes de origem animal marinha, responsáveis por encarecê-lo.

Tanques azuis e fechados de carcinicultura em um ambiente aberto (Foto: Jr. Panela/UFC)

O CEAC dispõe de 304 tanques para a criação dos animais, dispostos em 6 sistemas de cultivo (Foto: Jr. Panela/UFC)

A produção de rações hoje é feita, em grande parte, com uso da farinha de peixe e de outros ingredientes oriundos da atividade pesqueira. Há, portanto, um paradoxo nessa lógica, já que se trata da captura de um peixe que, ao invés de ser utilizado para consumo humano, é empregado para produzir material destinado a alimentar outro animal, o que resulta no aumento de custos.

Segundo o Prof. Alberto Nunes, coordenador do Laboratório de Nutrição de Organismos Aquáticos (Lanoa), outro problema é que a produção da farinha de peixe tem sido incapaz de acompanhar o crescimento da aquicultura (cultivo de organismos aquáticos em ambientes controlados), responsável pela aquisição de cerca de 80% de toda a farinha produzida em nível global.

“Precisamos buscar soluções para esse problema, porque há uma dependência muito grande da carcinicultura (em relação àquele produto), que se dá pelo fato de o ingrediente advindo do peixe ter todos os nutrientes de que o camarão precisa”, explica Alberto Nunes.

A ração vegetariana surgiu da tese de doutorado de Hassan Sabry Neto, defendida em fevereiro de 2015 no Programa de Pós-Graduação em Ciências Marinhas Tropicais, no Labomar. O trabalho teve como título Valor nutricional de flocos microbianos e rações vegetais para o desempenho zootécnico do camarão-branco, Litopenaeus vannamei.

Mão segurando um punhado de ração para camarão, de cor marrom (Foto: Jr. Panela/UFC)

Cada ração serve um propósito diferente, a depender do objetivo de cada pesquisa (Foto: Jr. Panela/UFC)

Com eficiência semelhante à dos alimentos comumente utilizados pela indústria, a ração sem componentes de origem animal tem a vantagem de ser mais barata e contar com ingredientes que são subprodutos da soja – algo vantajoso para o Brasil, um dos maiores produtores de soja do mundo.

A diferença está na coloração da ração (mais branca) e na ausência de alguns nutrientes encontrados apenas em materiais de origem animal. Esse problema da deficiência nutricional, porém, também foi resolvido pelos pesquisadores, a partir da inclusão de aditivos que suprem essa falta e tornam o alimento mais palatável para o animal, sem representar acréscimo de custos por já serem utilizados na criação dos camarões.

LABORATÓRIO

O Lanoa, inserido no âmbito do CEAC, trabalha com a perspectiva de compreender as necessidades nutricionais do camarão para que ele tenha um melhor desenvolvimento. Para tanto, conta com 304 tanques, dispostos em 6 diferentes sistemas de cultivo, variando de 60 a 23 mil litros.

Esses sistemas de cultivo são divididos pelas necessidades de cada pesquisa, com critérios baseados no tipo de ração a ser produzida. “Se quisermos uma resposta no desempenho de crescimento dos camarões mais próxima da que se alcança em uma fazenda comercial, fazemos a pesquisa em área aberta. Se quisermos algo mais controlado, usamos o galpão interno, por exemplo”, explica o Prof. Alberto.

Professor Alberto Nunes sentado à mesa e segurando um equipamento para distribuição de ração (Foto: Jr. Panela/UFC)

Para facilitar o trabalho do Lanoa, coordenado pelo Prof. Alberto Nunes, um distribuidor de ração de baixo custo foi desenvolvido (Foto: Jr. Panela/UFC)

Os animais são adquiridos pelo laboratório ainda em estado de pós-larva e criados durante 50 dias, quando chegam ao tamanho “juvenil”. A partir daí, com o camarão pesando aproximadamente 1 grama, as pesquisas são iniciadas: eles são transferidos para os tanques e alimentados durante 10 semanas, para depois serem pesados e avaliados. É dessa forma que os pesquisadores conseguem diferenciar a atuação das rações, ingredientes e aditivos.

Hoje, o Lanoa é considerado uma referência nas Américas. “O Nordeste é uma região importante para criação de camarões, pois produzimos cerca de 60 mil toneladas por ano. Ainda que seja um número baixo quando comparado aos grandes produtores da Ásia, para o Brasil isso é importante, porque não precisamos importar camarão para atender à demanda interna”, ressalta Alberto.

Além da pesquisa com a ração de origem vegetal, o laboratório também tem estudos recentes sobre atrativos palatabilizantes (para melhorar o gosto da comida para o animal), uso de adubos vegetais para aumentar naturalmente a produção de alimentos na água, alimentação nas fases iniciais do camarão para induzir melhor desenvolvimento e produção em condições extremas de densidade populacional do animal.

Fonte: Prof. Alberto Nunes, coordenador do Lanoa – fone: 3229 8718 / e-mail: alberto.nunes@ufc.br

Kevin Alencar 12 de dezembro de 2017

Assuntos relacionados

Microalgas dentro de um equipamento com água (Foto: Ribamar Neto/UFC) Pesquisadores desenvolvem banco de microalgas

Grupo de Biotecnologia Molecular e Estrutural da UFC estuda formas de aplicar esses organismos em campos como cosméticos, alimentos e tratamento de água

Pesquisadora segurando dois recipientes: um com terra arenosa, outro com terra preta (Foto: David Motta/UFC) Reproduzindo as terras pretas da Amazônia no Ceará

Pesquisadores utilizam subprodutos do agronegócio para produzir material carbonáceo com múltiplas aplicações

Silhueta de mergulhador ao fundo, com recife de coral em destaque (Foto: Marcus Davis/Pesquisa) Novo recife de coral descoberto na região leste do Ceará

O habitat, distante da costa, não foi atingido pela ação humana e chama atenção pela grande presença de espécies