Agência UFC

Sociedade e Cultura

Ação de extensão PLUS+ auxilia na superação de perdas e luto

Projeto desenvolvido no Departamento de Enfermagem promove diversas atividades para ajudar pessoas enlutadas a enfrentar momentos de dor

A morte ainda é um grande tabu na sociedade. Em uma pesquisa encomendada em 2018 pelo Sindicato dos Cemitérios e Crematórios Particulares do Brasil (SINCEP), 65% dos entrevistados relataram dificuldade em lidar com a morte. A mesma pesquisa mostrou que 55% dos participantes concordavam com a importância de se falar sobre o assunto.

Nesse sentido, o Projeto Integrado de Pesquisa e Extensão em Perda, Luto e Separação (PLUS+) atua por meio de ações de apoio às pessoas que estão passando por situações de perda. Ativo desde 2003, o grupo é vinculado ao Departamento de Enfermagem da Universidade Federal do Ceará e já atendeu, de modo gratuito, mais de mil pessoas.

Além da promoção em saúde mental, o grupo desenvolve a prevenção do uso indiscriminado de antidepressivos e de ansiolíticos (remédios sintéticos usados para diminuir a ansiedade e a tensão), acolhendo todos os tipos de luto. Por isso, o público assistido é variado. Idosos, adolescentes e crianças, que comparecem voluntariamente ou são encaminhadas pelos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) ou hospitais de Fortaleza e de cidades vizinhas.

O grupo terapêutico de apoio ao luto PLUS+ Transformação, como é chamada essa parte do projeto, atua em diferentes fases para ajudar na elaboração e superação do luto. O participante tem a oportunidade de falar sobre a perda e participa de momentos de atividades variadas, como meditação guiada, relaxamento e terapia.

AMBIENTE ACOLHEDOR

No início dessas sessões, o ambiente é preparado com colchonetes e lâmpadas fotocromáticas, para maior conforto. Ao chegar ao grupo, cada pessoa é abraçada, segundo os integrantes do grupo, “para que seja acolhida em sua dor”. São realizadas meditações guiadas e alongamentos físicos. Os participantes também são estimulados a falar sobre a razão de estarem ali, e, assim, a equipe mostra em qual fase do luto a pessoa encontra-se, para que ela possa entender seu processo de luto. Ao final das atividades grupais, o participante é levado a refletir sobre o que apreendeu dentro do grupo e como pretende utilizar as técnicas aprendidas na superação da dor.

Enfermeira sentada desenvolvendo atividades com frascos em uma mesa, ao lado de uma mulher que está em pé acompanhando o momento (Foto: Luana Oliveira/PREX-UFC)
A Profª Angela Souza, coordenadora do projeto, explica que o luto é trabalhado na ação como um processo natural, a ser compreendido e superado, e não como um tabu ou problema (Foto: Luana Oliveira/PREX-UFC)

São vários os métodos terapêuticos utilizados no grupo PLUS+ Transformação. A auriculoterapia é um deles e consiste em aliviar dores e outros sintomas, advindos de desequilíbrios físicos e/ou emocionais, por meio da acupuntura em pontos específicos da orelha. O grupo sempre utiliza terapias naturais, sem uso de medicamentos, e baseia-se em técnicas não invasivas ao corpo, por acreditar que a própria pessoa é a protagonista da recuperação e, assim, autorresponsável por sua cura.

“O grupo me ajudou de muitas formas, principalmente com o depoimento de outras pessoas. Graças a Deus e com a terapia da Dra. Angela Souza, eu estou de pé, com força e vontade, e tudo que vinha antes na minha cabeça, hoje não existe mais” (Jorge Henrique, participante do projeto)

A Profª Angela Souza, coordenadora do projeto, explica que o luto é trabalhado na ação como um processo natural, a ser compreendido e superado, e não como um tabu ou problema. “Na condução do grupo, não usamos a palavra ‘problema´. E quando esse termo é pronunciado pelos participantes, peço que seja trocado pela condição de ‘situação a ser enfrentada’, isto é, ter um caminho a seguir com suas próprias estratégias para vencer e elaborar a dor e o sofrimento”, afirma a professora em seu livro publicado sobre o projeto.

DOR COMPARTILHADA

O compartilhamento da dor vivenciada dentro do grupo foi essencial na vida do artesão Jorge Henrique. O participante, de 53 anos, perdeu a mãe e conta que quando o fato ocorreu ele não encontrava motivação para seguir adiante. Ao entrar no PLUS+, Jorge viu-se amparado com as terapias e com os relatos de outros participantes. “O grupo me ajudou de muitas formas, principalmente com o depoimento de outras pessoas. Graças a Deus e com a terapia da Dra. Angela Souza, eu estou de pé, com força e vontade, e tudo que vinha antes na minha cabeça, hoje não existe mais”, relata.

Além da coordenação da Profª Angela, o projeto conta com o auxílio de bolsistas que põem em prática, na extensão, o que é ensinado em sala de aula. Para Elaine França, estudante de Enfermagem e bolsista do projeto, a participação no Plus+ possibilitou uma percepção mais humanizada das pessoas. “Não há dúvidas de que, como membro do PLUS+, não adquiri apenas conhecimento, destreza, empatia, responsabilidade, capacidade de liderança, eloquência, mas tornei-me completamente apaixonada pela atenção integral ao ser humano, uma vez que nesse projeto é possível vivenciar a essência da Enfermagem: cuidar”, afirma a futura enfermeira.

O projeto oferece, além das terapias, outras atividades. Anualmente, é realizado o Seminário PLUS+, para que sejam discutidos e ampliados os conhecimentos acerca de temas que, geralmente, são pouco trazidos à tona dentro da universidade, como a morte e o luto. Ainda em relação ao ensino, são promovidos cursos de auriculoterapia, toque terapêutico, arteterapia e florais de Bach (essências de flores e plantas que podem ser utilizadas como tratamento complementar contra doenças e desequilíbrios emocionais). Às quintas-feiras, há consultas de enfermagem com auriculoterapia para discentes, docentes e funcionários, enquanto as sextas-feiras são destinadas à população em geral.

SERVIÇO

Qualquer pessoa pode participar do projeto. Os encontros acontecem toda segunda-feira, das 8h30min às 11h, no Laboratório de Práticas Alternativas em Saúde (LABPAS), do Departamento de Enfermagem da UFC (Rua Alexandre Baraúna, 1115, bairro Rodolfo Teófilo – Fortaleza). O serviço é gratuito. Além das terapias dentro do projeto e do grupo PLUS+ Transformação, as pessoas que necessitam de acompanhamento individual também são assistidas em consultório de enfermagem, com florais de Bach, auriculopuntura e acupuntura Tung. Mais informações pelo e-mail amasplus@yahoo.com.br.

Ely Eulle Viana, sob supervisão de Narjara Pires

Fonte: Profª Angela Souza, coordenadora do PLUS+ e docente do Departamento de Enfermagem – fone: (85) 3366 8457

Agência UFC 5 de setembro de 2019

Assuntos relacionados

Grupo de mulheres abraçadas de costas, formando uma espécie de cordão humano (Foto: Rosilene Miliotti/FASE) O drama da violência sob o olhar das mães de jovens assassinados

A partir do relato de dezenas de mulheres de Fortaleza e da Região Metropolitana, pesquisadores apontam fatores que relacionam mortes violentas à destruição dos vínculos de parentesco

Imagem de quadro Chegada de Pedro Álvares Cabral ao Brasil Grupo cria ferramentas computacionais para tradução automática do nheengatu, única língua viva descendente do tupi antigo

O idioma, que é falado na região amazônica do Brasil e da Colômbia, está em risco de extinção. Ferramentas podem ajudar a reverter esse processo

Fotografias são apresentadas em relevo, de modo que possam ser percebidas por pessoas com deficiência visual ou baixa visão (Foto: Viktor Braga/UFC) Projeto “Fotografia Tátil” promove arte de forma inclusiva

Projeto de extensão da UFC trabalha com fotografias para serem produzidas e sentidas por pessoas sem o sentido da visão